Marylin namora José Eduardo há alguns anos. Conheceram se em uma festa com amigos comuns em um final de semana. O início do namoro foi bem interessante, com ambos descobrindo afinidades e coisas não tão afins. Trabalhavam, estudavam, saíam finais de semana, iam a teatro, cinema, fazer trilhas, praia.

          Edu como ela o chama é publicitário, pessoa moderna, despojada, verdadeiro cabeça aberta, como costumam dizer. Algumas ocasiões ela o achava despojado demais.

          Ela embora gostasse das mesmas coisas que ele é mais reservada, menos impulsiva, mais racional. Gosta das coisas certinhas, da palavra cumprida, dos compromissos levados a sério, das etapas cumpridas gradativamente e de pouca exposição. Professora, ela gosta de tudo bem explicadinho, com interesse e disposição.

            Há algum tempo vinha achando Edu mais atarefado, cheio de compromissos, com poucos momentos para conversarem e quando ela tentava saber se algo ocorria, ele desconversava.

            Era final de semana eles tinham combinado um compromisso social, o jantar de noivado de sua melhor amiga. Além disso, ela fora convidada para ser madrinha do casamento.

            Estava entusiasmada, fizera uma rica produção visual, cabelos, maquiagem. Estava pronta com antecedência. Sentou-se à espera de Edu. Começou a relembrar sua história e em meio às lembranças nem percebeu que os minutos iam passando. Adormeceu imersa nas recordações do que era seu relacionamento há um tempo atrás e que já não era mais assim.

                                          Isabel C S Vargas

                                          Pelotas/RS/Brasil

                                         

Exibições: 86

Respostas a este tópico

 Isabel C S Vargas

Belíssimo querida Isabel, parabéns, bjs MIL.

Adormeceu imersa nas recordações do que era seu relacionamento há um tempo atrás e que já não era mais assim.

Amiga Isabel, quando as coisas estão mornas é preferível terminar antes que esfriem de vez. Bela história. Abraços carinhosos.

verdade e ainda mais quando não há transarência. bjss

Querida Isabel Cristina.

Um conto interessante. É um acontecimento que pode ocorrer com qualquer jovem.

 Parabéns!

Beijosss.

Teu conto provoca-me um efeito singular, de perda...

Gostei!

Parabéns!

Beijossssssssss

Boa tarde Isabel, gostei de sua composicão. o visão do passado e do presente fez a personagem rever seu relacionamento. Parabéns'! Abraços poéticos!

RSS

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...