Anoitecer

Lembra-me escuridão. Anoite escuridão. De São João da cruz

Mói-te sem estrelas sem o clarão da luz, sem o reflexo da lua, apenas o escuro.

 Solidão infinita onde a alma se cala. Quando perguntamos e ficamos sem respostas, sem crença. Derrelição da alma e ser.

Qual a direção a seguir?

Deserto sedento sem nenhuma sombra, sem. Lugar para descansar. Nenhum oásis. Geme o corpo em busca da água. Sem lagrimas.

Povo que caminha neste deserto juto sem se verem. Invisíveis.

 Desacreditados, governados pela ganância e a desonestidade. Cada um apenas vê seu próprio umbigo. Fome, violências apenas o ódio das massas crescendo.

 Homens olhem para o infinito que as estrelas estão lá. E CISTE A LUZ. Poderemos v elas se olharmos para cima e vermos o brilho prateado iluminando a vida Paz e união será o sol do amanhecer.

  Nós que escolhemos entre a dor ou o amor

 

Dione Fonseca

Exibições: 96

Respostas a este tópico

Grata querida Dione, por me propiciar ocasião de deleitar-me em tão nobres letras...

É bem assim...

beijos

Bjus

Contundentemente belo ! Bravoooooooo ! Bjs do Paolo.

obrigada pelo carinho. Ando sem PC agora minha filha me emprestou  e vim agradecer os poetas..

Meu PC com tela azul travando e técnicos  sem saber onde esta o defeito.

RSS

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...