Eri Paiva

Quando, em meus braços, te apanho,
Doce cheiro do teu corpo desprendes,
Qual se fora de rosas... em doce banho,
Me envolves, me enlaças e me prendes

És, dentre todos, o mais cheiroso cheiro!
Ora me inebria, vezes outras, me acalma!
Quando te vais me pões em desespero
E uma saudade sem fim na minha alma!

Tu és a alegria de todos os dias meus,
És, nesta vida, o amor que Deus me deu,
És o encanto de minhas madrugadas...

Quando vens, sinto, ainda que distante,
O cheiro não apenas de mulher amante
Mas a essência de tu'alma perfumada!

Natal/RN - Em 27. 10. 2015

Exibições: 83

Respostas a este tópico

Um belo soneto, delicioso de se ler...

Beijos poetoparabenizatorios,

Marcial

Teu poema exibe mensagem delicada.

Beijosssssss

P.S. No grupo Teoria Literária temos dois textos a respeito do soneto. Tua leitura será uma honra:

http://peapaz.ning.com/group/teorialiteraria/forum/topics/silabas-g...

http://peapaz.ning.com/group/teorialiteraria/forum/topics/encanto-d...

Marcial, obrigada, pela gentileza da leitura. Bj
Silvia,obrigada pelo carinho. Beijinhossss

RSS

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...