Eu faço poesia como quem pede a Deus,
saúde pros filhos, água pro nordeste
pois sou sertanejo, sou cabra da peste
e os versos que faço são encantos meus.

Eu faço poesia lembrando os “adeus”,
sonhando acordado de forma inconteste,
fazendo poemas a vida me veste
de nova roupagem, me dá outros céus.

E nessas poesias construo legados,
acerto meus erros, liberto pecados,
registro as histórias que pude criar...

Vou pintando telas com minha beleza,
faço ceias fartas, enfeitando a mesa
pra você, meu leitor, se deliciar.

(Marcos Maia)

Exibições: 89

Respostas a este tópico

O poeta revela que escreve poemas como quem faz uma oração. Diante de versos tão puros, não me restam dúvidas... Lindo, lindo, lindo! Beijossssss

Um soneto belissimo e admiravelmente bem contruido. Alvissaras poeta Marcos Maia!!!
Marcos Maia, não fiz outra coisa senão me deliciar com o teu soneto: tão simples quanto verdadeiro; tão original quanto raro entre tantos! Amei!!! Parabens! Feliz semana, poeta, com novas inspirações.

Releio o belo hendecassílabo (ou datílico).

Parabéns, querido poeta!

Beijosssssssss

Marcos Maia, eita nordestino "dos bom"!

RSS

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...