ADÉLIA EM NOVA IORQUE


Mário, com 12 anos de idade, queria ficar, não queria deixar a Adélia, sua amiga de 10 anos e partir para o desconhecido. Este sentimento que querer ficar e ter que partir era cada vez mais forte quanto mais perto estava a data da partida.

Viu a Adélia da sua varanda, ela era frágil e mais frágil parecia com a lata de água a cabeça. O vento sempre presente na Ilha lhe abanava e ela parecia ir ao sabor do abano.  Sorrateiramente saiu e foi ter com a Adélia. A sua família não gostava de o ver com a Adélia. Ele era filho de distinta família dos emigrantes na América e tinha que ser digno do estatuto adquirido. Mal se viu na rua correu atrás da Adélia. Esta ia distraída e não percebeu o aproximar do amigo. Quando notou, o Mário estava tão perto e com o espanto deixou cair a lata de água e esta amolgou-se de tal maneira que seria difícil alguma comparação com a que ela levava na cabeça.

-Desculpa-me Adélia, te prometo, assim que chegar a América te mando uma lata nova.

-Mário, tu vais é esquecer-te de mim... Lá terás outras amigas. Lá é outro mundo.

-Eu te prometo, não só te mandar uma lata nova, como te tirar daqui e levar-te para a terra da nossa esperança.

 

Os anos passaram e a Adélia cresceu e com 18 anos, se transformou numa linda e bela crioula. Pobre, mas trabalhadora e muito asseada. Não tinha namorado, não era por falta de pretendentes, mas porque ela não gostava de nenhum dos que lhe assediava.

Era uma tarde de sol e calor como a maioria das tardes na Ilha. Ela estava sentada à sombra de um pequeno arbusto. Viu o pai aproximar-se e trazia com ele uma carta na mão. Quem teria enviado a carta?

Ele chegou ao seu pé e entregou-lhe a carta dizendo que era para ela. Que lhe escreveria? Veio da América, completou o pai. América? Quem da América lhe escreveria? Com as mãos trémulas ela recebeu a carta e viu o seu nome e do remetente “Mário Andrade de Andrade”... Só podia ser ele, o seu amigo. Recordou que um dia ele lhe disse que se chamava comicamente Mário Andrade de Andrade, pois a mãe e o pai eram primos e se casaram para a mãe poder ir para a América e lá, contra todas as expectativas, os primos se apaixonaram e um casamento de fachada se tornou em real e ele veio ao mundo. A mãe e o pai tinham pouco tempo para cuidarem dele e ainda bebê veio e foi entregue aos cuidados dos avôs.

Abriu a carta e começou a ler e em voz alta, de repente ficou muda e o pai lhe pediu para continuar, mas ela não conseguia continuar... Não conseguia dizer que estava a ser pedida para noiva e que devia ir para a Capital, na outra Ilha e tratar do Visto de Noivado e partir para a América.

Veio de barco para a Cidade Capital e quando chegou pensou que estava na maior cidade do mundo. Comparar a pequena vila com a capital era quase impossível. Não demorou muito, o Mário tratou de tudo, sem ela saber. Conseguiu todos os seus documentos através de um primo e estava tudo em ordem que uma semana depois ela estava de volta a pequena Ilha e pequena vila de onde brevemente partiria para a América.

Sentiu a mágoa de ter que partir e nos olhos da mãe e do pai a esperança de vida melhor. Uma vida melhor para ela, para eles e para os irmãos e irmãs.

Desta vez foi de barco, mas para a Ilha vizinha e de lá para outra de avião, um pequeno avião, de onde apanhou um avião enorme e este tinha um e único destino, a América. Quem pagou todas as despesas foi o Mário e ressalvava sempre que estava a pagar a lata amassada.

 

O Mário entrou no carro para ir ao aeroporto, ia receber a sua amiga Adélia.  Ia a cantarolar e feliz. De repente viu a sua frente um enorme camião e vinha em direção contraria...

O Avião chegou e os passageiros desembarcaram, a maioria vinha de África de Sul e falava uma língua que a Adélia não  entendia patavina. Durante a viagem não reparou em ninguém, mas ao chegar a fronteira sentiu a necessidade de encontrar algum apoio... Seu rosto transformou num rosto aflitivo. Foi quando ouvi uma voz:

-És de Cabo Verde?

-Sim sou, Estou aflita...

-Dá para se ver à milhas, fica calma...

Quando chegou a vez dela, o homem fez de tradutor e juntos levantaram a bagagem. Saíram. Era suposto ela se encontrar com o Mário no “Ponto de Encontro”. Estava lá muita gente, mas nenhuma com cartaz “ADÉLIA” conforme o combinado.

O passageiro seu companheiro da viagem estava com ela. Esperaram e esperaram e nada.

-Tens o numero dele?

- Sim é este!

Foram a uma cabine e ligaram para o Mário, o telefone tocou e alguém atendeu...

-É o Mário?

-Não, o Mário já não é deste mundo, teve um acidente. – respondeu alguém em Inglês.

O companheiro da viagem da Adélia, não sentiu coragem para lhe dizer a verdade. Disse-lhe que viesse com ele e que de casa ligariam de novo para o Mário. Ela saiu com ele e viu... Viu o que era uma GRANDE CIDADE, viu a Nova Iorque vestida de luz e acordada na noite. Viu de longe a Estátua da Liberdade, não a conhecia e nem sabia o que era.... E Sentiu-se minúscula, abandonada e privada de tudo.

Fim

João Pereira Correia Furtado

Praia, 18 de Novembro de 2016

Exibições: 109

Respostas a este tópico

Muito Obrigado Amiga poetisa Miriam.

Querido Escritor João  Furtado

Guardei-te para o fim porque me deixaste mesmo sem sopro e de olhos em água!

da 1ª vez e hoje novamente...

Sempre, SEMPRE, me encantaste com teus contos.

sabes, contei-te, que tenho uma etiqueta com teu nome, para teus contos, no meu mail!rs

MAS NESTE CONTO ultrapassaste tuuuudo!

em tecnica: foste cinematográfico!!rsrs

ADIVINHA-SE...não explanaste tudo, numa exploração de descrições etc,

que, NESTE CASO, perder-se-ia o fulcro do teu Conto!

CARACOLES!!

Foste sintetico sem ser telegrafista!

Foste....UUUAAAAUUUU ESCRITOR CONTISTA!

no inicio e na conclusão!

Ai A CONCLUSÃO..... NADA A MAIS! A tua contenção...

essa conclusão fez-me chorar

de tal forma se sente O vazio, O sem chão de Adélia...

meu imenso aplausooooooo! meu enooooooooorme aplauso em pé!

exagero?! não penso!!

GRATA POR ESTE MOMENTO DE LEITURA!

Beijos de poesiaaaaa

Chantal Fournet

RSS

Membros

Aniversários

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...