Poema

Queixas apenas queixas...

Mauro Martins Santos - Moji Guaçu-SP - Brasil

 *****

Pela estrada minhas queixas vou deixando

Para que ninguém zombe de me ver chorando;

Por isso vou ouvindo só, minha voz agoniada.

E pela estrada, evitando esses espectros, ando!

 

Nunca, - confesso - procurei uma existência fingida,

As insígnias as conquistei com dores e lutas medonhas,

Enquanto meus próprios irmãos me achavam feliz,

Imitante aos falsos vendilhões que a Teologia prediz.

 

Meus irmãos viram-me num quadro de aflições

Que me consumiam. Nem Da Vinci o pintaria,

Teria de fazê-lo a sangue, que meu corpo daria,

Feita de meus  tormentos de homem e aflições.

 

Como um arcanjo sem as asas, no horizonte,

Clamava para alguém dar-me certa luz

Na busca intensa de encontrar a cruz

Vinda no brilho nascente do Sol como fonte

 

Levantei-me só, desse rude tormento,

A mágoa da desunião hoje é tão intensa

Que eu penso que a família é uma doença...

A tristeza  às vezes nos é um paramento.

 

A fraternidade fiz o bem de rompê-las!

Os irmãos arranquei das prisões carnais,

Quero viver na luz dos astros imortais

Abençoado com o frio de todas as estrelas!

 

O desdém para comigo foi crescendo apavorante,

E dentro do meu peito, fui lutando o bom combate,

Eu de constante como o mendigo na porta bate,

Nessa exação da procura de coração engolfante;

 

E eu, sim desdenhei da universal grandeza,

Que reputo hoje como total exasperação,

Poeta sentimental, amante da música, da beleza,

Prélio que sofri pelos irmãos forte aversão.

 

Para essas queixas uma folha é pouca

Inda mesmo que  a vontade se esforce;

O palpitar no interior do peito se torce

Mas o perdão se balbucia pela boca.

 

Ouço o jaz, baladas, que vezes tantas me tocou,

Tantos cantaram para atingir a glória nas lutas

Penso em muitos astros, o inimitável Nat King Cole,

As divas negras, massificadas pelas matilhas brutas.

 

Refletindo que para todos os séculos vindouros

Não foi ou será queixa de algo banal, mas afinal,

O que poderia ser um corpo com o brilho do ouro,

Com as mortes dos pais, tornou-se um caso final.

 

Queixas são apenas queixas, que aliviam a alma,

Contudo o pano de fundo é tecido com verdade,

Nada de atropelo, com coerência e muita calma,

Pois, a nostalgia é o profissionalismo da saudade.

 

 **************

 

 

Exibições: 104

Respostas a este tópico

À gran poeta amiga Rosemarie

Gracias por el estímulo, la atención y dedicación a este nuestro querido sitio.
Un fuerte abrazo fraternal de su amigo Mauro.

Não te queixes... ainda que verdadeiros e legítimos

sejam os motivos para que o faças... rsrsrs...

"Queixas são apenas queixas, que aliviam a alma,

Contudo o pano de fundo é tecido com verdade,

Nada de atropelo, com coerência e muita calma,

Pois, a nostalgia é o profissionalismo da saudade."

Eloquente inspiração.

Parabéns e Felicidades!

Beijossssssss

À Sílvia

Não te queixes...

Sim, na vida tudo passa tudo há de passar...

Como neste meu fado de memória dolente

Na alma abalada e de memória comovente,

O Tempo em forma de poesia este vai levar!

 

A poesia, lenitivo aos queixumes que gestou:

Ó “não te queixes... Não o faças”, tens razão,

“Inda que verdadeiros os motivos do coração”

Não te preocupes amiga a poesia me libertou!

**

Obrigado minha querida

e estimada amiga Sílvia Mota, 

Sempre de uma forma ou de outra

tens o dom de trazer inspiração...

Bjsss de alegria e afeto.

* Irei publicar o poema completo no Grupo Poemas Livres para que seja conferido... Tomara!

Somente hoje, tenho acesso a esse carinho poético, de grande valor, para mim.

Agradeço-te, sinceramente.

Beijossssssssssss

Publicado em:

GRUPO POETAS DE MIM:

http://peapaz.ning.com/group/poetasdemim/forum/topics/silvia-mota-p...

RECANTO DAS LETRAS:

http://www.recantodasletras.com.br/homenagens/5998156

Bonito

Obrigado pela visita prezadíssimo amigo Almada.

Tua presença é honra e destaque. Meu abraço sincero e amigo.

Boa tarde, amigo Mauro. Uma beleza de obra. Excelência em versos. Abraços carinhosos.

Obrigado  fiel amiga Regina Madeira

Sempre e sempre, um prazer renovado receber-te na leitura de meus escritos. Tão inspirada poeta-escritora só pode trazer alegria a meu coração com tão escolhidas e preciosas palavras. Meu abraço de afeto e um beijo fraterno. OBRIGADO!

 Mauro Martins Santos

Estimado amigo poeta Mauro,

encantada com as tuas maravilhosas letras,

parabéns pela belíssima inspiração, bjs MIL.

Ola mi querida amiga M. Inesita,

Gracias por la hermosa  atención y dedicación en leer su amigo.

Y lo placer es tener su amistad. 
Un fuerte abrazo fraternal,

Mauro.

RSS

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...