Ninguém ouviu a voz da natureza nos trovões

Ninguém viu quando atingiram as baleias com arpões

Ninguém chorou quando o rio suplicou e quase secou

Ninguém viu a bituca de cigarro que queimou a floresta

Ninguém assistiu o suborno oferecido por gente desonesta

Ninguém se comoveu com a fome do mendigo na calçada

Ninguém se afetou com o olhar triste da criança abandonada

Ninguém pensou em consumir menos para aliviar a terra

Ninguém se manifestou ao ver outros países em guerra

Ninguém gritou por paz quando vomitaram o mal

Ninguém se apiedou com o trabalho escravo no canavial

Ninguém impediu o esgoto de se encontrar com o mar

Ninguém viu as fábricas jogando fumaças tóxicas no ar

Ninguém freou o perverso na venda de animais em extinção

Ninguém ao ver a fome pensou em repartir o pão

Ninguém chorou a morte daquela árvore ainda verde

Ninguém foi oferecer água para matar a sede

Ninguém barrou a maldade do preconceito voltado às etnias

Ninguém deu guarida às mulheres espancadas pela covardia

Ninguém viu o teste letal de um experimento científico

Ninguém ouviu o tiro da espingarda que matou o tico-tico

Porém a natureza sentiu e se entristeceu no céu da imensidão

Lágrimas solitárias e sem fim descem ao ver tanta ingratidão

Ela chora ao ver que o planeta terra está morrendo

A ganância de alguns, sufocam outros, que não estão vivendo!

Tem dias que desce a tormenta devastadora do elevado...

A ventania abre a prisão libertando o pássaro engaiolado

O mar avança destruindo aquilo que nunca foi alcançado

O ser humano neste momento fica desesperado

Vem o esquecimento de cada atitude excessiva...

As águas estão perturbadas e são agressivas...

É a natureza implorando para ser respeitada

Até parece nossa inimiga, mas é nossa aliada!

Quer chorar sobre as queimadas...

Chora no alto e chora no chão

A humanidade está surda, e cega...

Não tem compaixão!

Janete Sales Dany

São Paulo - Brasil

Todos os direitos reservados

Poesia registrada e imortalizada

na Bibiloteca Nacional

Licença Creative Commons

O trabalho A natureza chora no alto e chora no chão de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Intern....

Exibições: 237

Respostas a este tópico

Sim Janete!

Belo poema a chamar a atenção...

Parabéns querida!

beijos

Boa noite querida Lais!

Fico feliz que gostou...

Obrigada por iluminar a minha noite com a sua linda presença.

Uma semana repleta de paz

Beijos no coração

Em apoio a seu libelo contra os maus tratos à Natureza, digo o seguinte;

É ASSIM O BICHO HOMEM
Marcial Salaverry
É tão bela a Natureza...
Vem o homem, e estraga a sua beleza...
É tão lindo, tão acolhedor nosso mar...
Porque o homem insiste em o maltratar?
Os animais silvestres, nas matas, que é seu lugar...
Os homens só pensam em os engaiolar...
Animais presos em jaulas no Zoológico...
Não me parece nada lógico...
Experimentem enjaular-se, numa prisão...
Como ficará seu coração?
O mar... quando verde... lindo demais...
Como é triste vê-lo com manchas negras colossais...
Por vezes, a Natureza se revolta, se rebela...
E quando zangada se revela,
explode sua ira em maremotos... tornados,
que deixam os homens desesperados...
Um vulcão, quando entra em erupção,
é porque a Terra já se cansou de tanta poluição,
e se rebela, e mostra como está triste seu coração...
Após promover queimadas, que deixam uma triste aridez,
o homem se queixa de que terra está seca, e esquece o que fez...
Desastres ecológicos, não são nada lógicos...
Vamos respeitar a Natureza, cuidando de sua beleza...
Marcial Salaverry

Maravilha!!!

Agradeço as linhas feitas com primazia,

que falam desta grande verdade....

O homem sempre esquece o que fez...

Para toda atitude uma resposta,

e o que a humanidade tem feito,

não é nada animador....

Se a natureza responder a altura,

Deus nos acuda!!!

Belo poema, obrigado querido Poeta Marcial!

Uma semana de paz

Beijos

Fico feliz sabendo que vc gostou de minha "invasão"...

Beijos naturebas,

Marcial

Você nunca invade querido poeta Marcial,

sempre acrescenta e ilumina!

Obrigado hoje e sempre

Beijos

Triste.

Eloquente.

Verdadeiro.

Belíssimo poema, querida Janete!

Beijossssssssss

Boa noite querida Sílvia!

Obrigada por iluminar a minha noite com a sua linda presença.

Fico imensamente feliz de saber que as minhas linhas singelas,

agradaram ao teu belo coração, é um grande estímulo com certeza!

Uma noite de muita paz

e ótima semana

Beijos no coração

JANETE, QUERIDA.

Belíssimo teu  poema, que traduz a realidade do que está acontecendo em nosso planeta.

Beijossss

Arlete.

Boa noite querida Arlete!

Obrigada por iluminar a minha noite com a sua linda presença!

Fico contente que tenha gostado das minhas linhas singelas,

e feitas com o coração, agradeço o grande estímulo!

Uma noite repleta de paz

Uma semana maravilhosa

Beijos no coração

"A natureza chora no alto e chora no chão"  lindíssimo poema!

Parabéns Janete Sales!

ZCH

Boa noite querida Zélia Mendonça!

Obrigada por iluminar a minha noite com a sua linda presença!

Amei os pássaros, amo pássaros!

Agradeço o estímulo,

uma noite de muita paz

uma semana maravilhosa!

Beijos no coração

RSS

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...