Exibições: 196

Respostas a este tópico

Arrespondendo procê,

digo que o amô cabôco,

tem di tudu, bão como quê...

Tem amô, tem amizade,

tem inté paxão...

É bão como quê,

como mostru agora ora vancê:

AMÔ CABÔCO

Marcial Salaverry

 

Amô cabôco é bão dimais da conta, sô...

É amô sincero, dus bão i verdadêro... é amô...

Cando nois si paixona, num  pensa notra...

Nóis só qué

os amô di uma muié...

Num tem dessa di amô adurterado,

dessis caso cumpricado,

di querê otras muié,

coisa de genti sem fé...

Amô cabôco tem sinceridade,

muîto chamego e amizade...

Nóis cando gosta de vredade,

só pensa em dá felicidade

prá muié que a gente ama...

Nóis qué ela na cozinha e na cama...

Cabôco só que sabê de vadiage,

só fais do amô, a maior homenage,

má é cum a muié que a gente ama...

e dissu ninguém recrama...

Amô cabôco, minha gente, é amô de vredade...

E qui fais tuda nossa felicidade...

Nóis fica aqui na rede,

Nus beju, nus amassu...

Ansin é  o amo cabôco...

Esse amo qui nóis véve...

Sincero e bão como quê...

 

 

Tãum bão fazê puema prus amô... Ai ai, ai!
Úia! Ispantei os homi tudo. Sartaram de banda... Ou vaivê qui nem leru meus poema di amô qui iscrivinhei.

Careci intonce di sabê si us tar é chegado nessas coisas, nénão?

Mondibejus dieuprocê, uaisô...

Marcial

Amigo Marciá, vancê dexa essa ciumada arribancá dos teu miolo, pruquê nu mir coração enfiosempri maisum. As festa de São Juão tão aí mermo, prágente siadiverti, nénão? Vamu sorri e dançá. Bezão prá vancê.

Mai aravejasó... Num essa di ciumnera não... Nóis sabe si adeverti só quereno sabê di pais e amô... Mais amô do qui pais..., né mezzz?

Vamenchê o carão di quentão, e si sortá no mundão...

Mondibejus procê, i par quem maiquisé, uaisô...

Marcial

 

Vixi, qui vergonha!!! - só hoji qui vi essa muié falano as coisas bela qui dissi ali iscrivinhano. I já si faz deis dia qui fiz aniversaro. I ela veio toda bela, as tranças nus cabelus, u vistido tão florido grudadim nus quadris, i nus seios i na cinturinha di mocinha virge - é, nossa sinhora, inda bem qui enxiste santa nesse mundo, prá ajudá na hora di tirá ela desse apertuxo. I chegô toda dengosa i pura gostosura. Botô batão naqueles lábio di mel pareceno uma frô di petúnia, cheirando a perfume di frô di murta. Ieu sei qui já tô bebinho com tanta formosura, i qualé qui vô sartá di banda?! prá dexá ela sortinha nesse mato qui tem tanto gabirú, tar quar aquellos qui aqui já si apresentaro. Nem vô pensá nessa ingrizía di quasirmão qui é prá num tê qui pensá ninsexto, pruquê num vô dexá a minha cocadinha sem assunto prá falá no confessório. Tem mais, qui li nu horoscópio qui é meió morrê di picada discorpião qui morrê virge ô num aquário. Entonces amô, muitios bejus meladus e otro tanto di abraçus apertadus qui é prá começá a acabá cum essa agonia. .

Puisé...  Os otro já tavam corneteando qui ocê num é achegado nessas coisa de muié virge. Num ti incontremo no forfó. Eu e Marciá dançamu inté o dia raiá. Chorei as mir m'água nus ombru dele. Mi senti manguaça véia, mocoronga. Eu qui num sô diço, melei os pé cum quentão. Tive um revertério e mi botei a gorfá. Mir alegria virô um rebosteio. Mais u amigo Marciá cuidô di mim, mi consolô... respeitoso... homi bom taí. Inté hoje num gosto di mi alembrá, mais num vô anegá qui o que ocê iscrivinhô aqui mi deu um frio na ispinha... Mais quiu Marciá cuidô di mim, isso cuidô... Puisé...

Intão num foi? Pó contá cum ieu si quisé amarrá otra bebacera... Ocê bebinha, fica pur dimai da conta di lindinha...

Cozoinho briando qui só, e chameguenta prudimai...

A gentitamo aí pressascoisa, nénão?

Mondibejus procê, uaisô...

Marciar

Muitãoagardecida mir amigo duzóio azur. Sufri um sufrimento prudimaidaconta, pruquê ce muir triste sê fazida de bocó. A farta di Marcu no forfó me dexô tum atarantada que tive ataque de bicha. Num sabidonde ficava azesquerda e muitiumenus asdereita. Disgracêra totar. Inda bem qui passô tudim. Mondibejus procê tumém. Sirvinha. 

Mai aravejasó... Inda bem, cocê si curô... Ieu já tava naquela di num sabê oncotô, doncôvim, nem poncovô...

Mai agora já sei, uai, vô virá dotô pra curá as dama abandonada... Ô trem bão, sô...

Mondibejus procê, zamôdieu,

Marciar

ara! tá veno só, nem foi purquerê qui deixei ocê suzinha i ocê atarantada inté sofreu ataqui di bicha. I adonde foi quisso aí si assucedeu? foi memo nu forró ô si meteu in arguma parada dus mais mudernus, na Parlista ondi us veínhus travestido tira us brinquinhu i usa ósculos parabrisatórios prá mudá a cor dus óios?

bem vi qui aquella bondadi da boa dess tar qui siassina ô siasininô di Marciá inda ia sê dismascarada. pois taí, bastô ocê chorá nus ombro dele prele chamá ocê di trem bão e di dama bandonada. Eli qui num si assunte não i num si adiscurpe dus impropérios qui andô falano qui mandu sortá ele na ilhota de Urubuqueçaba mais um bandu di odaliscas da dança du ventre, lá da Oásis do cáis du porto, prele siafogá ni tanta baba.

Intonci amô num fiquitriste não qui aí tá vindo São Juão. já armei a minha barraca, já iscorvei us fuguetes di vara, já tenhu licô di jinipapo i vamo amanhecê u dia nu forró da minha fugueira.

Intonci té.

RSS

Membros

Aniversários

Aniversários de Hoje

Aniversários de Amanhã

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...