RAMALHETE CAMPESTRE


A galope vai o meu ginete
pela estrada,
Respiro o aroma do pinheiral
silvestre
Congelo o tempo ao lembrar
a amada:
Ao entregar-lhe
o ramalhete campestre.

Na ânsia do encontro meu
flete é campeiro,
Carrego dentro de mim
galanteios sem jeito,
Quando varre os pampas
tal minuano ligeiro,
Abichornada saudade levo
a pealo no peito.

Se o medo é um Não,
o Sim um coroamento:
Do velho da prenda,
este gaúcho tem a graça,
Varo o pampa a camperear
bagual ao relento,
Maneio o laço a te dizer do apojo
duma raça.

Um desejo já antigo, para ver-te
neste agora,
De uma vez decifrar a profundeza
de teu Sim,
Este taita se enobrece ao dizer
que te adora.

Ao final deste caminho já avisto
a querência,
A prenda, louro trigal, emoldurada
na janela,
Vejo que a vida é bela e o amor
uma ciência!

[Mauro Martins Santos]

Exibições: 78

Respostas a este tópico

Aeeeeeee, querido amigo!!!!

Muitos aplausos, para tão brilhante obra.

Teus versos chegam cheios de beleza e com um rico vocabulário regional.

Claro, vindo de você, nem podia ser diferente.

Parabéns.

Bjsssss. 

 

Obrigado pela visita e teus preciosos comentários.  A honra de sua presença Mônica,só é igual ao tamanho do coração de nossa amizade  infinita. 

"Carrego dentro de mim
galanteios sem jeito (...)"

Por tão grande amizade

Acomodada em meu peito.

Grande Abraço e um beijo fraterno.

RSS

Membros

Aniversários

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...