TERTÚLIA E FOGO DE CHÃO

Uma bailanta junto à fogueira
Minha prenda traz um amargo

Ferve a saudade como a chaleira
Daquela charla repassando o trago


O mote da charla lembra: querência.
Na roda de prosa ao pé do ouvido

Seja campo ou galpão é a essência:

E se chama tertúlia, de voz o sonido.  

A chamarra da cordeona prateada      
Prenha de sol, de lua, de história;
São temas sem peia nem floreada
À feia desfigura de uma memória.


Onde se marca o passo e compasso

Glória de nossa ancestral geração...
Causa disso, as prendas nos abraçam,
Ao verem se molhar olhos e coração.

 

Tertúlia é culto ao altar: fogo de chão;
A charla é nossa prece, família e coração,

Batismo, sonoro, som de gaita e violão,        

Desde os guris, prendas, taitas e ancião...

MAURO MARTINS SANTOS

 

* TERTÚLIA - Conversa em família e amigos íntimos no galpão, ao pé do fogo de chão, churrasqueando e tomando chimarrão. Reunião quase solene de amizade e confidências,

Como diz um gaúcho “é na Tertúlia que um taita pode chorar abraçado a um amigo” e ai que se declararam aproximações e sanam diferenças, reatam laços, casais  se recompõe ao ouvir um pajador, improvisar versos a propósito atingindo os corações. Quem não sabe que uma prece é uma sublimada poesia? E, que uma poesia tocante e sentida tem força de oração?

CHARLA – A própria conversa em si.  Em uma reunião em um CTG, fora a música e a poesia, é a boa prosa, recheada é claro de seu regionalismo. Até que está longe dos pagos gaúchos, ou na cidade grande longe dos pampas, internaliza a charla dos patrícios, “para não ficar mais de fora que dedão em alpargata furada”.

N. - Mas é claro, que se o amigo não for gaúcho vai falar de seu jeito; se mineiro: Uai; ou nordestinos  Ôche, Afêê; os paulistanos:  veinto, teimpo, enteindeindo, os cariocas:  marrr, purrrque, sapê  foi pégo furtando; e por ai vai... Temos ainda a chamada – VOZ PADRÃO – da televisão; que é indefinida, todos os homens têm o mesmo som de voz e a mesma pronúncia, as mulheres idem dos apresentadores aos repórteres. São divididos por regiões do país, cada região tem o seu padrão de timbre e pronúncia. É algo laboratorial.

Exibições: 195

Respostas a este tópico

Mauro Martins Santos

Sensacional, espetacular...

Tchê, isto tá por demais bonitaço,

muy lasqueado de bonito,

é escrito de puro gaúcho

nascido onde o céu é azul  infinito...

Parabéns, te aplaudindo de pé, bjs MIL.

Mauro, querido.

A gauchada se enaltece, diante dos teus escritos.

Diante da eloquência de tuas palavras, pude imaginar e sentir a cena.

Parabéns, meu amigo. Mais um brilhante a compor em teu acervo.

Bjsssss

RSS

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...