O cair da tarde. O sol se escondendo no horizonte amarelado. A rosa Príncipe Negro e o doloroso espetar do espinho. A gota rubra que inundou a pele delicada, branca e tenra. E nada mais à minha volta teve importância. A presença viril e imponente tomando meu corpo e minha alma. Depois no silêncio sepulcral restou apenas a sede insaciável de sangue. A voz grave ecoava em minha mente: És minha Carmela! Eternamente minha!

Nívea Sabino ( Fernandópolis - Brasil)

Exibições: 157

Respostas a este tópico

Nivea Sabino

Lindo demais,texto que encanta, parabéns querida poetisa, bjs MIL.

(Deixo a imagem para juntares ao conto neste concurso)

Obrigada pelo comentário incentivador, Maria Iraci Leal, poeta maravilinda!  E agradeço também a bela imagem que eu havia esquecido de postar junto ao microconto. Feliz fds! Abreijus Literários

Muito interessante, Nívea, Abraço

Obrigada, Isabel Cristina! Feliz fds! Abreijus Literários

Inquietante...

Parabéns!

Beijossssssssss

Obrigada, Silvia! Feliz fds! Abreijus Literários

Bravosssss

Parabéns.

Bjssss

Que bom reler este seu conto!

Tão especial no todo subentendido! Muito intenso!

PARABENS! BRAVOOO!!

RSS

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço