INRI e a bela cruz de ouro

(Conto - Ficção Fantástica)

INRI nasceu príncipe. Ainda pequenino, pela rivalidade dos pais com uma bruxa má, recebeu o destino de viver afastado de todos os seres humanos, preso a um fétido calabouço escuro. Contudo, sua fada madrinha amenizou o sortilégio, oferecendo-lhe uma bela cruz de ouro maciço, onde ficaria preso por toda a vida. Na parte superior do objeto maravilhoso, diamantes de raríssimo jaez inscreviam seu nome. Cresceram juntos, INRI e a cruz. Nenhum mal o alcançava. Seu alimento descia dos céus, na névoa da manhã. Pássaros, também dourados, formavam uma cortina de asas, enquanto o rei e a rainha abriam a finíssima camada de cristal que o separava dos simples mortais. Nesse sutil momento, INRI deliciava-se com as iguarias que lhe eram oferecidas e banhava-se ao perfume das flores que os bem-te-vis lhe ofertavam. Em seguida, voltava ao cárcere de ouro.

INRI cresceu, sempre submisso a todos os que dele se acercavam. Muitos o invejavam, pela imensa fortuna que o envolvia. Tornou-se um belo jovem. Alto, forte e musculoso. No entanto, seu pensamento viajava por caminhos desconhecidos. Desejava livrar-se daquele pesadelo que o consumia nas noites insones. Não podia viver como os demais seres humanos e isso o entristecia.

No dia do seu 33° aniversário, o castelo amanheceu em rebuliço. Flores foram espalhadas por todos os cantos e um tapete vermelho, bordado a ouro, esparramou-se pelo chão, do portal do castelo até o trono dos reis. Guloseimas, das mais ricas, preencheram as compridas mesas, cobertas por toalhas de linho ornadas de filigranas festivas.

INRI, angustiado, desejava saber o que se passava nos domínios do castelo. Quando a noite caiu, rufaram-se os tambores e de bela carruagem desceu uma princesa e sua dama de companhia. Ambas, formosas como um suspiro dos céus.

A princesa fora prometida ao belo INRI, num acordo firmado por seus pais, mas... ah!... destino cruel! Nos dias que se seguiram, o príncipe apaixonou-se pela jovem e doce criada, que correspondeu ao seu amor. O rei, a rainha e a princesa, perceberam a troca de olhares e enviaram de volta ao seu reino, a bela serviçal.

INRI, que desde a infância fora submisso, protestou! Queria sua amada de volta. Descobrira o amor e nada o impediria de tê-lo. Seus olhos lacrimejaram mares imensos, por muitas e muitas noites...

Certa madrugada, em intensa agonia, gritou aos céus todas as mágoas e tal era a força daquele amor, que a estrutura de ouro rompeu-se aos seus músculos de aço. Livre da opressora cruz, INRI orou, orou... e orou... até transformar-se em ave dourada, que ao farfalhar das asas saiu à procura da amada, a brilhar no estertor da noite.

 

Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz

Rio de Janeiro, 24 de outubro de 2014 – 3h29

Exibições: 539

Respostas a este tópico

Um conto encantado, que expõe grande e rica imaginação.

Excelente, como sempre, Sílvia.

Parabéns.

Bjssssss

Grata, querida Mônica, por tua leitura e gentil comentário! Beijosssssssssss

A força da tua escrita é envolvente e tocante

Um texto para ler e reler.

beijo

Querida Vóny, tua presença em minhas letras é, sempre, uma honra. Grata. Beijossssssss

Recebo tua leitura, teu belo comentário e teu gostoso abraço. Sinto-me feliz. Beijossssssssss

Caramba querida menina...

Que conto mais intenso lindo...

Para ser lido, relido e trelido...

Beijos mega aplauditivos por tão linda inspiração,

Marcial

RSS

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço