Eu me encontrava naquele estado indefinido em que não se sabe se se vive o real ou se desliza no tobogã sem fim de um episódio onírico. Bebera muito naquela noite, estaria sob o efeito do álcool, dormira e sonhara ou embriagado saíra a caminhar até o parque da cidade? Tudo era indefinido, irreal.

De concreto tinha o coração estraçalhado. Todo mundo um dia tem o coração estraçalhado por um amor que não deu certo. Ela havia colocado um ponto final na promessa que havíamos escrito juntos e por isso eu me afogara na bebida. A lembrança de nosso melhor momento vivido no parque, fazendo amor entre as ramagens do jardim, com risco de sermos vistos, martelava minha mente. Lembrava-me do gesto romântico de colher a bela rosa vermelha e espetá-la em seus cabelos.

Talvez por isso a imagem do parque em minha memória. Eu caminhava como que levitando entre os canteiros, havia luz, mas o parque estava deserto. Lá estava o canteiro e a rosa, parecia a mesma rosa que havia lhe ofertado. E de súbito – aí tenho que duvidar de meus sentidos – mas era tudo muito real: do verticilo floral formado pelas pétalas eis que surge sua figura, as pétalas vermelhas transmutando-se em mulher, a mulher transmutando-se em pétalas. Embriagado de emoção gritei seu nome, que ecoou por entre as árvores e as flores. Atirei-me sobre o canteiro sentindo o impacto profundo contra minha testa.

Ao ser acordado na manhã seguinte por um guarda, caído ao lado de um banco, tomado por um bêbado qualquer, tinha um enorme galo na testa e intensa dor de cabeça. Em minhas mãos sangrantes pelos espinhos estava bela flor vermelha da qual corriam como lágrimas duas pérolas transparentes de orvalho.

GONÇALVES, N. C. PEAPAZ. 29/01/2015

Exibições: 183

Respostas a este tópico

Nilson da Cunha Gonçalves

Encantador, conto belíssimo, parabéns poeta, bjs MIL.

A paixão, o álcool, o canteiro... Cenários de total embriaguez.
Embriaguez, do coração.
Um conto bem narrado e expressado.
Parabéns, querido Nilson.

Maravilhoso sonho,repleto de amor,sensualidade, com um final poético e sublime...Te abraço

BELO CONTO! LINDO FINAL,

Fascinante inspiração, querido Nilson!!!

Belo, muito belo teu conto!

Parabéns!

Beijosssssssssss

Querido poeta amigo Nilson!

Belíssimo conto!

Para ler e reler...

Encantador do começo até o fim!

Beijos

Relendo seu belo sonho...

RSS

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço