Quando a saudade vier
Quiser me fazer chorar
Estarei aqui a te esperar
E isso não vai adiantar

Muito menos tentar se livrar
As estrelas eu irei observar
Desfolhando o mal me quer
Sentindo seu retrato ao olhar

Depois de tempos vou parar...
Deixarei você dentro gravado
A ponto de não me separar
E se a saudade vier a apertar

As lágrimas insistirem em rolar...
Vou tentar sorrir ao me lembrar
E isso não é  nenhum brinquedo
É o sentimento vivo de amor

Vou te contar um segredo
É só você mergulhar no mar
Tocando leve a água salgada
Deixando nosso corpo relaxar

Essa saudade agora danada
Vai bater logo em retirada
E nós dois de braços dados
Como dois gatos pingados

Não vamos mais nos soltar
“Tamos” juntos e enrolados!

Lourdes Ramos & Hildebrando Menezes

http://www.recantodasletras.com.br/duetos/5263961

Exibições: 41

Respostas a este tópico

Digamos que fica bem melhor uma saudade gostosamente doida, do que uma tristemente doída...

Abreijos poetoparabenizatorios para esta fantástica dupla de dois poetas de escol...

Marcial

RSS

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço