Poeme-se

Para não se perder nas armadilhas dos vazios
Que te deixa no buraco negro do espaço vadio
Para aliviar o sabor acre da cruel existência
Perdido no vácuo sem espaço para o toque carnal

Para que sempre possa amenizar da vida, os dramas
E deter a companhia necessária para as tuas chamas
Para não ator... Doar-se da inutilidade do tempo estreito
Onde é escravo das artimanhas e façanhas dos sujeitos

Para colorir de abstratos o prisma da nua realidade
Tão crua e insensível que precisa da cor da fantasia
Para encantar os óbvios de maviosidade.
Dando a eles um retoque de sensibilidade

Poeme-se...

Para não deixar despercebido: o fino véu transparente
Da beleza que cobre toda a fealdade nua da infelicidade
O doce alimento das idealizações puras e irrealizáveis
Dourando a pílula dos sonhos das não concretizações

Para que possa da simplicidade bem assombrar-se
E ter nela a sua doutrina possível das realizações
Para que em ti, acesas, brilhantes, iluminadas de neon
Todas as luzes permaneçam estrelas com tapetes de visom.

Poeme-se...

Lufague & Hilde

http://www.recantodasletras.com.br/duetos/5267973

 

Exibições: 19

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço