Informação

❀In Memoriam❀

Homenagem aos que se foram...

É essencial identificar os homenageados nos textos e nas imagens.

Criadora e Administradora do Grupo:

Sílvia M. L. Mota

Administradora Moderadora:

Marcia Portella

Site: http://peapaz.ning.com
Local: Poetas e Escritores do Amor e da Paz
Membros: 47
Última atividade: 24 Mar

Fórum de discussão

MEU BOM JOSÉ

Iniciado por Eri Paiva 24 Mar. 0 Respostas

ADEUS MEU AMIGO VALANDRO

Iniciado por Sandra Leone. Última resposta de Sandra Leone 23 Mar. 8 Respostas

Em memória de meu filho Marcelo...

Iniciado por Maria Iraci Leal. Última resposta de Maria Iraci Leal 16 Fev. 9 Respostas

A la memoria del hijo de María Iraci Leal

Iniciado por gloria elena gutiérrez ortiz. Última resposta de Maria Iraci Leal 11 Fev. 2 Respostas

PARTIR

Iniciado por Eri Paiva. Última resposta de Maria Iraci Leal 9 Fev. 1 Resposta

In Memoriam - Marcelo, filho da nossa querida Administradora Maria Iraci Leal

Iniciado por Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ. Última resposta de Maria Iraci Leal 8 Fev. 26 Respostas

In memorian ao menino poeta Gustavo Adonias Bastos

Iniciado por Marcia Portella. Última resposta de João Pereira Correia Furtado 10 Jan. 17 Respostas

Tristeza no Portal PEAPAZ: Sara Rosa se foi...

Iniciado por Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ. Última resposta de Críspulo Cortés Cortés 9 Nov, 2016. 6 Respostas

In Memoriam - Cris Henriques

Iniciado por Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ. Última resposta de Críspulo Cortés Cortés 9 Nov, 2016. 8 Respostas

In memoriam a Roberto Romanelli Maia

Iniciado por Marcia Portella. Última resposta de Críspulo Cortés Cortés 9 Nov, 2016. 6 Respostas

Um poema para Sara Rosa (In memoriam)

Iniciado por Maria Iraci Leal. Última resposta de Críspulo Cortés Cortés 9 Nov, 2016. 3 Respostas

Criatura ( in memoriam a poetisa Sara Rosa)

Iniciado por Marcia Portella. Última resposta de Mônica do S Nunes Pamplona 26 Out, 2016. 5 Respostas

Cesário Verde

Iniciado por Fernando José Corte Real Azevedo 19 Jul, 2016. 0 Respostas

LEMBRANÇAS DO MEU PAI

Iniciado por Eri Paiva 10 Jul, 2016. 0 Respostas

IN MEMORIAM

Iniciado por Fernando José Corte Real Azevedo 2 Maio, 2016. 0 Respostas

Saudade

Iniciado por Fernando José Corte Real Azevedo. Última resposta de Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ 30 Abr, 2016. 2 Respostas

Nelson Ned

Iniciado por Fernando José Corte Real Azevedo 26 Abr, 2016. 0 Respostas

Mariinha Mota - In memoriam-

Iniciado por Nieves Merino Guerra. Última resposta de Nieves Merino Guerra 25 Abr, 2016. 8 Respostas

SAUDADE DE GLENN MILLER

Iniciado por Marcial Salaverry 24 Abr, 2016. 0 Respostas

IN MEMORIAM

Iniciado por Fernando José Corte Real Azevedo. Última resposta de Nieves Merino Guerra 24 Abr, 2016. 1 Resposta

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de ❀In Memoriam❀ para adicionar comentários!

Comentário de Evanir S Garcia em 7 fevereiro 2017 às 10:42

Amiga .Maria Iraci Leal.

Tudo que posso te dizer  com muito respeito a sua dor ,

que fiquei sabendo através da nossa tão lutadora Silvia mesmo percebendo minha ausência .Deus somente ele para confortar seu coração.

Te abraço forte com  carinho.

Muita paz de Deus.

Comentário de Marta Cosmo em 28 janeiro 2017 às 16:44

EM MEMÓRIA A UM LINDO SER QUE SEMPRE AMAREI: MINHA AVÓ 


O fim de mais um dia se expressava no céu. Lá fora as primeiras estrelas surgiam como pedrinhas preciosas cravadas no firmamento. No ar além dos perfumes das papoulas, jasmins, rosas e bugarins, do nosso quintal, se espalhava uma doce melodia:

“Para mim a chuva no telhado
É cantiga de ninar
Mas para o pobre meu irmão
Para ele a chuva é fria
Vai entrando em seu barraco
E faz lama pelo chão...(...)
Era a doce voz de minha avó (Dona Santa) que cantava embalando minha rede, ninando os meus sonhos pueris ao fim do dia. Mas essa canção foi além, pois não embalou somente a minha rede, embalou meu caráter e minha vida. Quando minha avó entoava essa melodia eu imaginava as imagens: Pessoas mais simples do que éramos morando indignamente, lançadas a própria sorte e desvalidas da solidariedade e compaixão humana. Meu coraçãozinho ainda tão infantil se apertava dentro de mim. Meus olhos, profundos de inocência, pareciam transcender sonhando com um mundo melhor onde todos pudessem viver felizes ainda que de maneira simples, mas tendo o necessário para viver com dignidade. Essas imagens pareciam saltar do mundo imaginário e vezes pareciam palpáveis diante de mim. Em meu pensamento brotavam idéias, imaginações pueris. Minha alma crescia em amor e preocupação pelo próximo. Sem saber minha avó me ensinava as palavras de Jesus “Amar o próximo como a ti mesmo” em outras palavras. Ensinou-me a olhar o outro como alguém igual a mim, que precisa das mesmas coisas que eu preciso. Que nem sempre o que é bom para mim é bom para o outro e que por isso devemos ter cuidado em não ferir ou prejudicar as pessoas.
Em 2008, decidi então cantar essa mesma canção para ela e embalá-la naquele momento último da trajetória da sua vida como uma forma de gratidão e de dizer-lhe o quanto eu a amava e que ela estaria para sempre guardada em minha alma, pois é nesta parte eterna do meu ser que guardo todos que amo.
Era o final de sua missa de corpo presente na qual cheguei de viagem poucos minutos antes, após quase vinte e quatro horas sem dormir percorrendo aeroportos e terminais rodoviários. Mas valeu o meu esforço: ela merecia. No entanto pensando que lhe encontraria, não a encontrei. Sua pele alva estava escurecida. Toquei sua mão e não senti o seu calor. Beijei sua fronte fria e não a senti mais. Seus lindos olhos meigos jamais os veria sorrirem para mim nesta vida. Não, aquela parecia não ser mais a minha avó. Era uma espécie de veste abandonada. Um casulo já sem vida de uma borboleta que agora voava em outra dimensão. E olhando-a lembrei-me do presente que lhe havia prometido. A canção seria então o meu presente e pus-me a cantar para ela com toda a força, amor e esperança do meu coração, para embalá-la ali naquele receptáculo dormindo, não o sono de sonhos que ela me fazia dormir, mas o sono dos justos que adormecem desta vida para acordarem noutra:no paraíso que Deus destinou para todos. E então cantei:
“Para mim a chuva no telhado/
É cantiga de ninar...(...)
E assim como os anjos disseram aos discípulos desesperados, bem como a Maria Madalena, após o sumiço do corpo de Jesus, disse também: Por que procuramos dentre os mortos aquele que está vivo?
Assim a nossa querida (minha avó e também segunda mãe) vive: na eternidade.

Comentário de Arlete Brasil Deretti Fernandes em 6 novembro 2016 às 23:58

Um poema para Sara Rosa.

Ainda   é difícil nos acostumarmos com a morte.

Só quando me lembro que vida e morte são como estados de calor e de frio é que vejo onde está a lógica de ambas. NÃO ESTAMOS EM VÃO NESTE PLANETA.

Para mim, Sara Rosa era uma poeta que tecia a vida com bordados belos. Pelo pouco que a conheci, percebi  que era um espírito bonito, de bondade e de luz.

Eu não esperava que ela  já se preparasse para a  Grande Viagem.

Sara Rosa deixou-nos belas flores e estrelas bordadas no espaço sideral, cor de seus olhos e de sua linda alma. Sou feliz por termos sido amigas!

Comentário de SIGRID SPOLZINO PORTO PONTES em 23 abril 2016 às 15:27

A homenageada é minha mãezinha!

Nos deu adeus em nov/2005

Comentário de SIGRID SPOLZINO PORTO PONTES em 23 abril 2016 às 15:26

 

Membros (47)

 
 
 

Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Aniversários

Aniversários de Hoje

Aniversários de Amanhã

Poema ao acaso...

PLATAFORMA LATTES

É possível registrar, para efeitos acadêmicos, os textos publicados no Portal PEAPAZ. Quando se realiza o login na Plataforma Lattes, do lado direito da tela aparece uma janela com a pergunta: "O que você quer registrar?" com a listagem dos tipos de publicações a serem registradas. Entre essas, consta: "Redes Sociais, Websites, Blogs", onde o autor deverá clicar. A partir daí abrirá uma janela, na qual se realizará o registro. É necessário preencher todos os espaços.

Badge

Carregando...
*