À Sara Rosa!

Toda a eternidade habita em mim

na memória que guardo daqueles que permanecem

para além dos dias calados,

na sedução indefinida das palavras

que ficaram por escrever,

no redemoinho intenso dos sorrisos

jamais testemunhados,

na heroicidade das lutas vencidas

no silêncio amarfanhado das ausências.

Quando me apetece retomar o caminho do sonho

acciono play e mergulho nos sons da melodia

que ficou para te reinventar indefinidamente.

Permaneces intemporal...

Fénix mater

renascida das cinzas!

Em 07.Jan.2018

PC

Exibições: 57

Respostas a este tópico

E relembrar indefinidamente da poetisa que partiu..

Muito belo

O poema é belíssimo, para uma poeta de alma linda!

Beijossssssssssssssssss

Minha mae moriu 20 janeiro de 2018. Amava muito a Sara Rosa e choro a sua "ausencia"

Parabéns

RSS

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço