Deus do céu que nos proteja

Do cordel sem metro fino

Os verso amontoado

Tudo assim desencontrado

Sem passar um pente fino

O cordel é arte antiga

Tem seu metro e sua rima

 

Quando vejo um cordel

Todo assim de pé quebrado

Cada verso de um metro

Sem se atentar ao certo

Logo fico arrepiado

O cordel é arte antiga

Tem seu metro e sua rima

 

Pode ser preso no mote

Pode ser de outro jeito

Só não pode sair torto

Com o metro troncho e morto

Sem qualquer zelo ou respeito

O cordel é arte antiga

Tem seu metro e sua rima

 

 

Pode ser agalopado

Ou galope a beira-mar

Tem de haver sempre cuidado

Pra não cometer pecado

E ao cordel desfigurar

O cordel é arte antiga

Tem seu metro e sua rima

 

Já nasceu pra ser cantado

Por isso tem tempo certo

Como o rondel e o soneto

Há de ter metro perfeito

Igual massa de concreto

O cordel é arte antiga

Tem seu metro e sua rima

 

Seja épico ou satírico

Ou repente improvisado

O cordel é uma arte

E o coração me parte

Ao vê-lo tão descuidado

O cordel é arte antiga

Tem seu metro e sua rima

Exibições: 83

Respostas a este tópico

Nossa siôra! Mai qui buniteza qui tá esse cordé du cupadi Jorgi Linhonça.

Muitos parabéns, aravejasó!

Bejusssssssssssss

RSS

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...