Chamava-se D.Irene. 
A Escola funcionava na casa dessa senhora, Professora Primária, casada, mas sem filhos. 
Era uma rua esconsa, daquela Covilhã antiga, cheia de ruas estreitas, que ora subiam ora desciam, bem íngremes!


Entrava-se num prédio antigo e escuro. Uma revoada de crianças, rindo alegres do reencontro com os que conheciam e os outros, como eu, mais tímidos, encolhidos junto dos Pais, esperavam com aquele friozinho na barriga, estranho e ainda desconhecido, por nunca ter sido sentido! 
Por mais estranho que pareça, aquele "escuro" recordo-o sempre como muito luminoso! Aconchegante! Cheirava bem! Mas os cheiros vinham da cozinha!

Fui recebida por uma senhora forte, de cabelos ondulados curtos mas já meio polvilhados de prata, com alguma idade; também estava a sua irmã, mais velha, bem mais magra e algo adoentada, pelo que me lembro! Havia muitos meninos e meninas; eu conhecia duas delas, que eram minha amigas e com quem era "autorizada" a brincar, meu Deus que época aquela...!! 
Fomos conduzidos a uma sala grande, comprida, com uma janela-varanda num extremo e...SÓ!

A sala era dividida por meia-arcada, na frente junto à varanda, ficavam as classes mais velhas e atrás as da 1ª e 2ª classes...e aprendia-se, por mais estranho que pareça!! Sem Computador e máquinas de calcular e ainda cantando a tabuada! Não faço ideia como os mais crescidos conseguiam, mas era assim! Não me recordo de tudo, mas na verdade estávamos todos juntos! Não sei se não se aprendia, estimulados ouvindo também os mais crescidos e eles connosco!

Lembro-me que havia momentos em que os pequenos tinham que fazer silêncio!! e ele era tanto que se ouviam as moscas ou as abelhas lá fora!! Era a hora do Ditado! Ouvir os crescidos ler rápido ou explorar os mapas e manusear os sólidos da Geometria, falar das flores e dos animais...Penso que essa mistura era proveitosa e nada antipedagógica!!!

Na sala de trás, havia uma mesa redonda grande, com copos com lápis de cor (incrível! moderno!) e muitas folhas que lembro não serem brancas! tínhamos pedras de lousa, e cadernos de 2 linhas e quadriculados, estreitos e compridos, com os meninos da Mocidade Portuguesa, levando alegremente as bandeiras de Portugal e da Mocidade. 
Aí os mais pequenos se sentavam com d.Amelia. Mais ao lado havia as carteiras de madeira, cujo tampo se levantava, com um tinteiro de porcelana colocado no meio no seu buraco próprio!

Na hora dos lavores, em geral ao fim do dia, levantávamos os tampos e fazíamos casinhas, com os carros de linhas de cores, as meadas de filosel de bordar eram as camas, onde se deitavam imaginárias bonecas feitas com molas de roupa e arranjadas pela D.Amélia, que lhes desenhava olhos e bocas!!
 Na Parede para além do cruxifixo, havia um quadro do Imaculado Coração de Maria, e junto do quadro negro, pendurado na parede da direita, estava a figura de Salazar...

E foi ali que começou a minha aprendizagem de Escola: contar escrever e leeeeer!!
Ao fim de dois meses, já lia no livro dos mais crescidos e escrevia uma cópia de 5 linhas!

A tabuada...bem, sabia a música todinha! Cantar a letra com a música era mais difícil!!rsrs mas ia conseguindo!

Na hora do recreio, era muito bom! Tínhamos um enorme jardim lá fora, com flores, árvores, canteiros, pequenos espaços, muros de pedra, um caramanchão, um tanque sem patos! Havia Alegria, Cor e muitos risos e cirandas e brincadeiras e tantos jogos, tantos... Os mais crescidos brincavam com os mais pequenos... e ...eu amava tanto a escola da D.Irene!

 
Nada era compartimentado, era como uma grande família, porque ali andavam os irmãos mais velhos, que tinham ali os mais novos! Era muito engraçado! Claro que entre os mais velhos e mais novos a diferença era de 3 anos ou 2!! Nada de mais.

Mas tudo acaba... Aquela Alegria e Convívio saudável e meigo, com tanta ternura e pedagogia, (porque havia mesmo!) tinha que terminar meses depois, em nome de uma terrível tradição odiosa, chamada Sociedade! Elite disparatada, que naquela cidade, de burguesia medieva e burra, era um verdadeiro Cancro...

E fui para um colégio de Irmãs Doroteias... findei minhas memórias.

É que fui tão, tão feliz na D.Irene! Perdi o contacto com a alegria de coleguinhas encantadores. Reencontrei-os, anos mais tarde, mas o elo não se tinha formado... Nunca me deram uma explicação plausível, aceitável...

chantal fournet 18 Fevereiro 2015

Maria-José Chantal F.Dias

Portugal

perdi a única foto que eu tinha....

Exibições: 107

Respostas a este tópico

É uma verdade tristemente real...

As crianças começam a ter preconceitos quando os adultos incutem isso nas inocentes cabecinhas...

De qualquer maneira valerem suas doces lembranças, que marcaram bem sua vida...

Beijos reemorativos,

Marcial

Obrigada Marcial pelas palavras de compreensão!!!

não agradeci antes porque adoeci com cólicas e não voltei aqui, onde estava a causa kkkkkk!! LOL

Como dizes bem valeu e tambem há muito pior!! se eu vivesse debaixo de bombardeios ou campo de refugiados teria sido pior!!!!! kkkkkk

 beijosssss

Grande amiga e poetisa Maria-José...

Que belas e tristes lembranças... Tenho as minhas e as tuas fizeram-me lembrar das minhas!

Parabéns, mereces o primeiro lugar ganho!


APLAUSOSSSSS

João Furtado

Querido escritor João Furtado

grata por tuas palavras e teres apreciado minha memoria!!!

Na verdade foi a primeira vez que me debrucei sobre este pedaço da vida, pois as lembranças nem sempre eram boas! A prova foi, que durante este momento em que escrevi, acabei por ficar com um empate de digestão e cólicas de estômago!!!! rsrsrs

Só depois, já de manhã, é que entendi o que tinha acontecido!!!

Na hora dos lavores, em geral ao fim do dia, levantávamos os tampos e fazíamos casinhas, com os carros de linhas de cores, as meadas de filosel de bordar eram as camas, onde se deitavam imaginárias bonecas feitas com molas de roupa e arranjadas pela D.Amélia, que lhes desenhava olhos e bocas!!
 Na Parede para além do cruxifixo, havia um quadro do Imaculado Coração de Maria, e junto do quadro negro, pendurado na parede da direita, estava a figura de Salazar...

E foi ali que começou a minha aprendizagem de Escola: contar escrever e leeeeer!!
Ao fim de dois meses, já lia no livro dos mais crescidos e escrevia uma cópia de 5 linhas! A tabuada...bem sabia a música todinha! Cantar a letra com a música era mais difícil!!rsrs mas ia conseguindo!

Uma doçura Chantal, um encanto embevecedor, tão bem descrito que me vi na cena...

filosel- que palavra sonhadora...

Parabéns com veemência, expressiva riqueza de detalhes

beijos querida

ôcê acha?!?

rsrs

  Querida Laís...

ao ler tuas palavras eu digo:

Valeu a pena ficar com dôr de estômago!!!! kkkk

grata por teu aplauso!!

encanta-me saber ,que alguem gosta da forma como me exprimo!!

PARABÉNS Amiga e poetisa Maria-José.

Que LIIIINDO o nosso certificado!!!

Cheio de Sol e Alegria!!!!

Tão grata por este Prémio!

com intensa alegria vos digo

querida Comissão Julgadora

Querida Maria José.

  São muito bonitas as tuas lembranças,

  Recordar a infância faz muito bem, a escola, a professora, os colegas, a escola na casa da Professora.

.  E recordar é dar de volta ao coração.

   Eu me sinto muito bem quando recordo. As primeiras vezes em que escrevi sobre este tema, parecia que não me lembrava de quase nada. Nas oportunidades seguintes fui me recordando de mais fatos.

    Beijos,  Arlete.

 

RSS

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço