QUANDO AS FOLHAS SECAS CAEM

 

Esquecemo-nos às vezes,

O que é preciso conhecer

Sobre o que nos vai à alma,

Para em segredo se dizer.

 

É visto que a vida corre,

E aos que nos ladeiam,

Como estão sempre cá,

Falta o amor que anseiam.

 

Em algum dia tudo se vai,

O que era não mais será,

Como a folha seca que cai,

O Tempo invisível levará.

 

Queria eu poder cuidar de ti,

Tal a folha seca já não posso

Qual bordo outonal te perdi...

Esperar por ela vão regresso.

Segue ágil o rio como benção,

Murmúrios em seu caminho,

Mãos de sombras como unção,

 

Vão pensando todas as feridas

Abertas, doridas, em cada peito,

Herdadas de nossa própria vida.

Exibições: 32

Respostas a este tópico

À querida amiga Lúcia Cláudia,

Muito grato por sua visita e leitura ao meu pretenso poema Quando as Folhas Secas Caem.

RSS

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Margarida*

 *Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Liv Traffic Stats

Mídias Sociais

View Sílvia Mota ***'s profile on LinkedIn

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço