Apolônia Pinto nasceu em São Luis do Maranhão em 1854 e faleceu no Rio de Janeiro em 1937. Filha da artista portuguesa Rosa Adelaide Marchezy Pinto, nasceu no camarim nº 1 do Teatro Athur Azevedo em São Luis em 21 de junho de 1954. Atuou na peça "A cigana de Paris. Trabalhou em Os Lazaristas de José Enes e o Primo Basilio onde foi bastante elogiada pela crítica. A atriz foi celebrada por poetas e grandes sonetistas do final do século XIX como Alberto de Oliveira, Adelino Fontoura, Afonso Celso, Luis de Albuquerque. Trabalhou com Oduvaldo Viana. Considerada umas das grandes atrizes do século XIX, a atriz maranhense brilhou nos palcos do Brasil, Portugal e França. Em 1897 trouxe da Europa um projeto de cinema Lumière que instalou no Teatro Lucinda exibindo películas francesas, portuguesas e espanholas junto com seus espetáculos de Teatro. Faleceu em 1937 no retiro dos artistas no Rio de Janeiro.

Fonte: blogpaulorioswordpress.com

Fonte: JANSEN, José. Apolônia Pinto e seu Tempo. Rio de Janeiro, Departamento da Imprensa Nacional – SNT, 1953. 193p. Vanguarda cultural no teatro da maranhense Apolônia Pinto.

Fonte: TEIXEIRA, Ubiratan. Dicionário de Teatro. 2.ed. São Luís, Instituto Geia, 2005. Adendo do dicionário de teatro.

Um Poema para Apolônia Pinto (Poema -Teatro)

Mulher, artista, atriz maranhense,

Alma feminina do teatro ludovicense.

O teatro, foi sua sina,

Interpretar, sua vocação.

Filha de uma atriz portuguesa,

Nasceu no camarim nº 1 de um teatro,

O Arthur Azevedo em São Luis do Maranhão.

Foi um natal onde nasceu uma estrela,

Veio aos palcos a brilhar,

Iluminada pelos deuses das artes,

E assim foi, e ainda será digna de nos encantar.

Apolônia Pinto, de uma época que não tinha mídia,

Trabalhar por amor à arte foi o que sempre quis,

Viveu grandes papéis,

Deu vida à ingênua de "A cigana de París".

Dos 83 anos que viveu arrancou aplausos das plateias deste país.

Grande dama do teatro maranhense,

Dama também do teatro no Brasil,

Trazia no pescoço um adereço que fora de Bocage,

Uma joia, um realce ao seu brilho de atriz.

Luz dos palcos no século XIX,

Apolônia Pinto, nossa ilustre atriz.

Seu óbito se deu na casa dos artistas no Rio de Janeiro,

Seus restos mortais trazidos ao teatro Arthur Azevedo em São Luis do Maranhão.

És sempre musa, oh, lendária, intérprete Apolônia

Feliz quem teve a chance de nos palcos de contemplar,

Falar de ti sempre traz emoção

E em gratidão pela tua contribuição à cultura que só faz encantar,

Tenho a honra de neste palco com este poema te homenagear.

"Francisco Martins Silva"

Francisco Martins Silva

Uruçuí-PI-Brasil.

Exibições: 125

Membros

Aniversários

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço