TRÍVIOLETRA TC: IBEJI

I nfância e duplo // Ébano e Marfim // Oni! rito_raiz  (5)

B arro do Mundo // Voduns dos djedje  // sagrados apoios Fon  (4)

E rês criançada! alegria! // Simplicidade // doce Doum (2)

J eje-nagô orixás // o bem e o bom // Amor e Paz. (3)

I lê_Axé // COSME E DAMIÃO // Energia_ Ibeji (1)

Laís Müller - 1,5

Chantal Fournet -2,4

João Furtado - 3

TRÍVIOLETRA TS: IBEJI

I lê_Axé // COSME E DAMIÃO // Energia_ Ibeji (1)

E rês criançada! alegria! // Simplicidade // doce Doum (2)

J eje-nagô orixás // o bem e o bom // Amor e Paz. (3)

B arro do Mundo // Voduns dos djedje  // sagrados apoios Fon  (4)

I nfância e duplo // Ébano e Marfim // Oni! rito_raiz  (5)

 

Exibições: 152

Respostas a este tópico

lê_Axé // COSME E DAMIÃO // Energia_ Ibeji (1)

Laís Müller -1

Salve os Ibejis!!!!!

Hoje é um dia de doces!!!!!

No sincretismo,  Cosme e Damião!!!!!!

Oni beijada!

Ibêji é formado a partir do princípio básico da dualidade. Entre as divindades africanas, Ibêji é o que indica a contradição, os opostos que caminham juntos. Ibêji mostra que todas as coisas, em todas as circunstâncias, têm dois lados, e que a justiça só pode ser feita se as duas medidas forem pesadas, se os dois lados forem ouvidos sob os mesmos critérios. É a divindade da brincadeira, da alegria, sua regência está ligada à infância, a alegria, a inocência e a ingenuidade.

E rês criançada! alegria! // Simplicidade // doce Doum (2)

Chantal Fournet - 2

achei lindissimooooo!!! 

Agora valeu!!!!!

é preciso viver em Portugal para conhecer as raízes brasileiras????

Homenagem para todas as crianças, Trívioletristas ou não ....

Crianças doces da Tradição!!!!!!

Beijada e Jinhos

Todos juntos!!!!!!!

Grata pelo maravilhoso terceto, bem como pela União até musical!!!!!

Sou lentaaaaaaa!! rsrs

Acabei de o fazer... Gostas?! rs

Sabes lembrei-me que havia algo que me entusiasmava com a MIL: o MEDALHÃO com que nos cumprimentava/cumprimenta em Antologia Imagem e Literatura!!!!! e tentei...... longe da tecnica e beleza dela clarooooooooooo!!!! 

beijinhos

Chantal

J eeje-nagô orixás // o bem e o bom // Amor e Paz. (3)


João Furtado - 3

Qual fosse um doce recebi teu valioso terceto querido João Furtado!

Muitíssimo obrigada!!!!!

Valeu!!!!

beijos

Termos étnicos como nagôs, jejes, angolas, congos, fulas, representavam identidades criadas pelo tráfico de escravos, onde cada termo continha um leque de nações escravizadas de cada região. Os Yorùbá (como se escreve na ortografia Iorubá) são um dos maiores grupos étnicos na África Ocidental. A maioria dos Iorubás fala a língua Yoruba ( èdè iorubá). O Iorubá constituem cerca de 30 milhões de pessoas por toda distribuídas pela África Ocidental e são encontrados predominantemente na Nigéria, com cerca de 20 por cento da sua população total, depois parte do Togo, República da Benin, no Brasil, Cuba, parte do Sul dos Estados Unidos, etc.:. Os assentamentos iorubanos são freqüentemente identificados com os reinos antigos da África Ocidental como Oyó (eternizado por Xangô), Benin, Kano, Ifé etc:. A história dos Iorubá pode ser dividida em três “fases” ou “gerações”: 
A "primeira geração" inclui as cidades conhecidos como capitais de estados fundadores original Iorubá / reinos. 

Lais, muito obrigado, gosto de aprender e adoro partilhar... O Trivioletra é isto uma partilha de conhecimentos. Olha não sei como Jeje ficou com 2 “e”. Pode retirar para mim um “e”? 

Fiquei muito surpreso com tanta cultura africana no Brasil. Nasci na África e vivo na África (dois arquipélagos diferentes – S. Tomé e Príncipe e Cabo Verde) e não vivemos tanto assim. Parece que não houve um fio condutor...  Ou será que os deuses africanos preferiram o Brasil e o continente Africano... Acharam as ilhas pequenas de mais para eles? Embora estarmos à poucos quilómetros do continente africano e a ele pertencemos?

Querido João, não se preocupe que já vou retirar o e.

Mas aqui no Brasil, esta cultura é vastamente difundida, acariciada e valorizada... não conheço quem não faça a sua oferenda particular, para Ogum, Oxum, Oxossi, Xangô, Iansã, Yemanjá e Oxalá.

Talvez por ser coibida por aqui, onde os povos nagôs não puderam exercer a sua liberdade de expressão, é uma força conhecida e ao mesmo tempo disfarçada por muitos. Uns rechaçam,  outros reverenciam os conhecimentos milenares...

Uma riquíssima cultura, uma sapiência vasta veio a ser transmitida pelos povos que aqui aportaram, sem querer.

Os deuses nada mais são que Entidades que se desvelam pelos povos que são de sua guarda, e jamais prefeririam uma terra à outra...

Tanto na África, como no Brasil, com extensão à Portugal!!!!!

beijos e jinhos!!!!

Os deuses nada mais são que Entidades que guardam os povos , ou o que for de sua guarda...

O povo Nagô no Brasil foi coibido de exercer livremente a sua crença....e talvez por isto....conhecimentos milenares foram repassados de geração em geração

e assim perpetuados...

Ogum, Oxum, Xangô, Iansã, Oxossi, Iemanjá e Oxalá

são cultuados até os dias de hoje, mesmo que através do sincretismo , sejam os nomes diferentes...mas as Entidades são as mesmas...

beijos João Furtado

A riqueza informativa e cultural só engrandece nossos Poemas e cada pessoa que a ela tem acesso!

Grata pelo momento que se vive querida Poetisa Laís Müller! Sejam momentos científicos culturais etnográficos sonoros e tudo o mais....... é ISTO que entre muitas coisas o Trívioletra nos permite: ABRIR MENTES!!

Imagino que Prof. Marco Bastos aqui neste momento encontraria um léxico adequado e engaçado!!! rsrs 

Mas penso que mais encontrariam como Paolo Lim!!!!!

Entretanto nesse aspecto do sincretismo inter-religioso, aconteceu exactamente isso na Europa, entre a Religião Celta e a Cristã

E em Portugal, aquando da perseguiçao dos Judeus, houve um núcleo que sobreviveu em Belmonte (terra natal de Pedro Alvares Cabral!!) que manteve secretamente toda a parte cultural e religiosa sempre: osJudeus Marranos!

Beijos

Chantal

RSS

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...