TRÍVIOLETRA TI (Individual): AVALON

A lma céltica // druidisa e floresta // tríades (3)

V ibrações do Grande Foco // palingênese // círculos (4)

A la ao Gwynfyd // MUNDO INVISÍVEL // início no Annoufn (1)

L agos sombrios // florestas profundas // Natureza (5)

O vates e o culto // poesia // de bardo em bardo (2)

N os cantos de Taliesin // mar_ondas // queixumes eternos (6)

TRÍVIOLETRA TS: AVALON

A la ao Gwynfyd // MUNDO INVISÍVEL // início no Annoufn (1)

O vates e o culto // poesia // de bardo em bardo (2)

A lma céltica // druidisa e floresta // tríades (3)

V ibrações do Grande Foco // palingênese // círculos (4)

L agos sombrios // florestas profundas // Natureza (5)

N os cantos de Taliesin // mar_ondas // queixumes eternos (6)

Laís Müller

Brasil

Exibições: 126

Respostas a este tópico

Querida Poetisa Laís Müller....... estou rendida à beleza misteriosa dos teus versos!

beijosssssssssss

Agora ja posso escrever!!!!!!


trouxeste em liça TALIESIN  o belo Bardo dos Bardos!

Filho de  Cerridwen a deusa Cerridwen é ainda a deusa da Morte, da fertilidade, da regeneração, da inspiração, magia, astrologia, ervas, poesia, encantamentos e conhecimento. 

Sabes que a Arvore que a representa é o Teixo com suas bagas rubras e ....esta arvore nunca morre regenera-se a ela própria!!!! 

Trouxeste belos versos que incitam a buscar a saber mais!  É um poema Trívioletra sem banalidade!

Brijos de Poesiaaaaa

Chantal Fournet

Querida Chantal!

Feliz me encontro com o teu bravo desbravamento sobre as minhas linhas...

Grata! Gratíssima!

Tentei abordar o tema, não sob o prisma das lendas geradas, mas sim pelas causas...

As causas: os celtas que povoaram estas terras anteriormente o cristianismo ali aportar.

A cultura celta nunca chegou a extinguir-se, pelo contrário vive nas ondas modernas do celtismo florescente.

Os druidas e as druidisas (de modo igual, pois o feminino era valorizado) eram os sacerdotes e conhecedores dos mistérios ocultos, que somente eram revelados aos iniciados.

As cerimônias eram realizadas no seio das florestas em contato direto com a Natureza.

Os conhecimentos deste povo adiantado eram repassados através das Tríades, cantadas pelos bardos de aldeia em aldeia.

É também defendida pelos celtistas a ideia , que  as imensas escarpas açoitadas constantemente pelo mar, bem como a energia dos ancestrais valorosos que ali viveram, deram origem a feixes que impregnaram o solo.

De passo em passo chegaremos lá!!!!

Vou ainda voltar para mais confabulações!!!

beijos

Laís,

Como já disse a Chantal, eu não entendo esse tipo de poema.

Vejo apenas as belas palavras escolhidas. Parabéns.

Querida Margarida, grata pela visita e pelo comentário!

Mas, não é nada difícil começar....

Seria um imenso prazer a tua participação, ativa como és, em alguns minutos comporias um terceto (tenho certeza)

beijos

Verso após verso, um sonho poético de rico conteúdo temático.

Beleza e técnica, que se unem em prol da Poesia.

Parabéns e Felicidades!

Beijossssssssssss

Grata querida Mestra Sílvia Mota!

A alma celta não morre, mas sim floresce.

A amplitude do conhecimento e sabedoria  deste povo, ainda hoje nos deixa perplexos com  tantos mistérios ainda a desvendar.

Muitíssimo obrigada!

beijos

LAÍS MARIA MÜLLER MOREIRA

Beijos de Poesiaaaaaa

RSS

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço