TRÍVIOLETRA TI (Individual): AVALON

A lma céltica // druidisa e floresta // tríades (3)

V ibrações do Grande Foco // palingênese // círculos (4)

A la ao Gwynfyd // MUNDO INVISÍVEL // início no Annoufn (1)

L agos sombrios // florestas profundas // Natureza (5)

O vates e o culto // poesia // de bardo em bardo (2)

N os cantos de Taliesin // mar_ondas // queixumes eternos (6)

TRÍVIOLETRA TS: AVALON

A la ao Gwynfyd // MUNDO INVISÍVEL // início no Annoufn (1)

O vates e o culto // poesia // de bardo em bardo (2)

A lma céltica // druidisa e floresta // tríades (3)

V ibrações do Grande Foco // palingênese // círculos (4)

L agos sombrios // florestas profundas // Natureza (5)

N os cantos de Taliesin // mar_ondas // queixumes eternos (6)

Laís Müller

Brasil

Exibições: 91

Respostas a este tópico

Querida Poetisa Laís Müller....... estou rendida à beleza misteriosa dos teus versos!

beijosssssssssss

Agora ja posso escrever!!!!!!


trouxeste em liça TALIESIN  o belo Bardo dos Bardos!

Filho de  Cerridwen a deusa Cerridwen é ainda a deusa da Morte, da fertilidade, da regeneração, da inspiração, magia, astrologia, ervas, poesia, encantamentos e conhecimento. 

Sabes que a Arvore que a representa é o Teixo com suas bagas rubras e ....esta arvore nunca morre regenera-se a ela própria!!!! 

Trouxeste belos versos que incitam a buscar a saber mais!  É um poema Trívioletra sem banalidade!

Brijos de Poesiaaaaa

Chantal Fournet

Querida Chantal!

Feliz me encontro com o teu bravo desbravamento sobre as minhas linhas...

Grata! Gratíssima!

Tentei abordar o tema, não sob o prisma das lendas geradas, mas sim pelas causas...

As causas: os celtas que povoaram estas terras anteriormente o cristianismo ali aportar.

A cultura celta nunca chegou a extinguir-se, pelo contrário vive nas ondas modernas do celtismo florescente.

Os druidas e as druidisas (de modo igual, pois o feminino era valorizado) eram os sacerdotes e conhecedores dos mistérios ocultos, que somente eram revelados aos iniciados.

As cerimônias eram realizadas no seio das florestas em contato direto com a Natureza.

Os conhecimentos deste povo adiantado eram repassados através das Tríades, cantadas pelos bardos de aldeia em aldeia.

É também defendida pelos celtistas a ideia , que  as imensas escarpas açoitadas constantemente pelo mar, bem como a energia dos ancestrais valorosos que ali viveram, deram origem a feixes que impregnaram o solo.

De passo em passo chegaremos lá!!!!

Vou ainda voltar para mais confabulações!!!

beijos

Laís,

Como já disse a Chantal, eu não entendo esse tipo de poema.

Vejo apenas as belas palavras escolhidas. Parabéns.

Querida Margarida, grata pela visita e pelo comentário!

Mas, não é nada difícil começar....

Seria um imenso prazer a tua participação, ativa como és, em alguns minutos comporias um terceto (tenho certeza)

beijos

Verso após verso, um sonho poético de rico conteúdo temático.

Beleza e técnica, que se unem em prol da Poesia.

Parabéns e Felicidades!

Beijossssssssssss

Grata querida Mestra Sílvia Mota!

A alma celta não morre, mas sim floresce.

A amplitude do conhecimento e sabedoria  deste povo, ainda hoje nos deixa perplexos com  tantos mistérios ainda a desvendar.

Muitíssimo obrigada!

beijos

LAÍS MARIA MÜLLER MOREIRA

Beijos de Poesiaaaaaa

RSS

Mauro M. Santos

Graça Campos

Carlos Saraiva

José Santiago

Lilian Reinhardt Art

De Luna Freire

Visitantes

Liv Traffic Stats

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço