São eles do farto sorriso,

quando muitas vezes precisam chorar.

 

São eles do amor construído,

quando muitas vezes precisam sonhar.

 

São eles (elas) sonho de consumo de muitos,

Quando, com frequência, apenas precisam respirar...

 

São eles tão cantados em músicas de amor ferido,

enquanto seus sentimentos, foram sempre esquecidos.

 

São eles do pranto contido,

Porque, muitas vezes para sobreviver, precisam cantar...

 

São eles de alguns sonhos, perdidos...

Porque também precisam seguir e continuar.

 

Possuem eles corações partidos,

Foi a estrada da vida que decidiram amar.

 

Intercalam a solidão

com um toque de frisson.

Bandolins e violões,

Dança e alarido

Assim fica mais fácil.

Proteger um coração, já esquecido...

 

Ama o seu povo, a sua vida em seu colorido.

Segue seu caminho. Ora atento, ora distraído.

 

Amará aquela que compartilhe o seu destino.

Pro que der e vier, será o seu pão e também o seu vinho!

 

Doce coração de menino.

 

Exibições: 58

Respostas a este tópico

Doce Janete, quando puder, insira este vídeo, por favor.

Belchior - Paralelas (Um concerto a palo seco 1974)

 

José Djailson

Publicado em 15 de jul de 2014

Belchior - Um concerto a palo seco 1974

Belíssimo poema querida amiga Marcia Cristina.

Uma honra ter a sua bela presença no Vida Cigana

Obrigado de coração

Bela música do querido poeta e compositor Belchior

Feliz com sua presença 

Beijos

Bom dia, querida!
Um poema nascido da convivência com corações de tamanha lucidez que mesmo quando tristes, sabem sorrir...
E ouvindo esta musica nas diversas homenagens recebidas pelo querido Belchior, fez sentido em mim e consegui expressar, pois mais um coração da arte partiu, pelas "paralelas dimensionais" da vida.
Agradeço a gentileza de sua contribuição e comentário.
bjssss.

Vou colocar este poema no certame Coração Cigano.

Pode ser querida amiga Marcia?

Beijos

Querida Poeta e Amiga, não foi intencionalmente escrito para este fim...
Amo esta música e observando os vídeos dele, mais uma vez me identifiquei com a liberdade crítica e o seu clamor poético.
Solto pelo mundo... Quando pensam que está na frivolidade, abre a boca e vem a profundidade do sentir desde sempre. Maturidade...
Se isto que escrevi puder representar os meus leais e queridos amigos de maneira ética, e ainda clamando para um olhar humanizado e respeitoso a estes seres humanos, que se dão ao respeito e preservam a sua trajetória enquanto nação, claro que sim!
Volto agora à poesia da vida, onde prossigo em enlêvo neste convívio com pessoas tão íntegras, com ideais e realizações que ultrapassam classificações étnicas.
Agradecerei a gentil inclusão no certame.
Muito obrigada pelo apoio de sempre.
Fraterno abraço!
Marcia Cristina Varricchio.

O poema é belíssimo, sensível e caloroso, como o coração cigano! Apenas, modificaria o título, para especificar o tema: "Coração de menino, cigano" ou "Coração menino, de cigano", ou ainda "Cigano: coração de menino". Parabéns e Felicidades! Beijossssssssssssss

Fico feliz com o seu comentário!

Sim: Rigorosos, calorosos e afetuosos.

Então, sem querer infantilizar, trocaria para "Cigano: Coração de menino".

Obrigada. Bjsss.

Também, é o meu preferido... rsrsrsrs...

Beijosssssssssss

Oh! Que comentário lindo!

Muito grata pela sua delicadeza e sensibilidade, poeta Elias Almada!

Felicidades!

Seus prova ficou envolvente e emocionante, adorei cada verso! Parabéns !!! Estava com saudades de ler seus versos., Super abraço de Leti

RSS

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...