André Boniatti
  • Masculino
  • Corbélia/Pr
  • Brasil
Compartilhar no Facebook
Compartilhar
  • Mensagens de blog
  • Tópicos
  • Grupos
  • Fotos
  • Álbuns de Fotos
  • Vídeos

Amigos de André Boniatti

  • Maria Iraci Leal
  • Paolo Lim
  • Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ

Presentes recebidos (1)

 

Página de André Boniatti

Últimas atividades

André Boniatti curtiram o perfil de Maria Iraci Leal
24 Jan
André Boniatti atualizaram seus perfis
24 Jan
André Boniatti agora é amigo de Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ, Paolo Lim e Maria Iraci Leal
24 Jan
Maria Iraci Leal curtiram o perfil de André Boniatti
24 Jan
Maria Iraci Leal deixou um comentário para André Boniatti
24 Jan
André Boniatti recebeu um presente de Maria Iraci Leal
24 Jan
Maria-José Chantal F. Dias deixou um comentário para André Boniatti
"Estimado Poeta aguardamos ansiosos a partilha de de sua escrita entre nós! Beijossss de poesiaaaaaaa Chantal Fournet"
23 Jan
Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ deixou um comentário para André Boniatti
23 Jan
André Boniatti é agora um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz
23 Jan

Informações do Perfil

1 - Indicar teu nome verdadeiro, por completo, e o nome a ser usado no Portal PEAPAZ.
André Boniatti
2 - Local da tua residência: cidade, estado e país. Por motivos de segurança, não indicar endereços completos.
Corbélia/Paraná/Brasil
3 - Como chegaste ao Portal PEAPAZ?
Fui convidado por Silvia Mota
4 - Traça-nos tua trajetória no âmbito das artes/literatura/ciência.
André Boniatti (1981) é escritor paranaense e transita por diversos gêneros: é poeta, dramaturgo, contista, ensaísta etc. É professor de Língua Portuguesa e Inglesa, graduado pela UNIOESTE – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, especialista em Educação Especial Inclusiva e Literatura Brasileira e mestre em Literatura Comparada, também pela UNIOESTE, com a pesquisa “Reflexos do pensamento de Nietzsche na poesia de Alberto Caeiro: Do retorno à Natureza para além do bem e do mal”. Trabalha ainda com teatro amador e com desenhos em canson e vergé, utilizando técnicas que variam entre grafite, sanguínea, pastel oleoso e macio, entre outras. Suas principais obras são: "Fragmentos do silêncio (versos esparsos)", "A cosmoprofecia do movimento ao infinito", "Sonetos de fumaça e temporais (e outros poemas indóceis)", “Esquizolira e desalinho” e "Telúreo Canto (livro de esperanças)" em verso; "Amo-te a ponto de matar", “A benzedura do concreto”, "A paixão de Cristo (em três visões)", obras teatrais. Seus principais trabalhos como pesquisador, além da dissertação acessível no banco de dissertações e teses da Unioeste, são "Implicações pós-colonialistas na obra de José Craveirinha: Um povo entre a cruz e a espada" (In: http://www.revistaabril.uff.br/index.php/revistaabril/article/view/121) e "Apontamento sobre a presenta do pensamento de Nietzsche na poesia de Alberto Caeiro" (In: "Pessoa e Nietzsche: Ensaios", ed. Tinta da China, Portugal).
5 - Concordas que utilizarás o Grupo Sensuais e Eróticos SE publicares imagens de nu explícito?
Sim.
6 - Link para site/blog próprio.
Diálogo poético com andré boniatti: http://www.andreboniatti.com/

Recanto das Letras: http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=5602

Youtube: http://www.youtube.com/user/boniteatro

Poesia de andré boniatti (facebook): https://www.facebook.com/poesiadeandreboniatti

O pequeno livro da revolução: http://olivrodarevolucao.blogspot.com.br

No public reasons blog: http://nopublicreasons.blogspot.com.br

O livro das pretensões: http://olivrodaspretensoes.blogspot.com.br
7 - Insira aqui os links para teus perfis nas Redes Sociais.
https://www.facebook.com/anboni.bona

Twitter: https://twitter.com/zeforis
8 - Publica três poemas ou textos da tua autoria.
se soubessem rezar as flores

eu não rezaria uma oração.
minha religião
é como as flores, não pedem mais
que o sol e a chuva,
ou que a terra,
ou que o
ar.
que rezariam as flores se pudessem rezar???
se pudessem rezar as flores
as flores
não seriam flores,
seriam qualquer coisa estúpida como aos homens,
e teriam religiões estúpidas como aos
homens,
e eram completamente estúpidas
como aos homens;
mas a estupidez das flores é bela,
porque as flores não são
homens,
as flores são só flores,
são bonitas com seu caule e coloridas com suas cores,
e as cores das
flores
não estudam e não têm nomenclatura, e por isso
são
mais belas, e sabem que são cores
porque as têm,
e não o sabem, porque as são;
mas os homens são
estúpidos,
não têm cor e nem têm pétalas, têm enciclopédias, dicionários e
legendas, e decoram orações com a memória,
e memorizam coisas tolas,
e depois de rezar
acreditam que o céu é azul
e que deus tenha barba,
tenha ouvidos
e nariz.
se os homens fossem inteligentes
não teriam jardins,
seriam eles próprios o jardim,
e cultivavam muitas coisas, cultivavam flores
e amizade,
e morriam surdamente,
e não queriam nada mais... mas os homens...
são estúpidos.
os homens e as mulheres,
e as crianças são
melhores, mas serão também estúpidas, e por isso
os homens
são
estúpidos.
e também suas crendices.
todas as crendices são estúpidas.
só as das flores que não são. das flores e das
pedras. que as pedras
são melhores que os homens. as pedras nos jardins
fazem canteiros.
e os homens fazem
guerra.
e a guerra é uma doença. a mais cara
à estupidez humana.
e por isso
os
homens
são estúpidos.
se as flores acendessem velas
não ser-
ia para os mortos,
seria para a noite ser mais verde e pra que o verde colorisse com a noite,
e seria a procissão um longo abraço
com as ruas e as
luas
e as abelhas,
e cos vôos colibris.
se a razão evidenciasse a
divindade
seria divina a matemática, e não deus,
e por isso se decoram orações,
mas não se oram,
como um exercício matemático a um
problema indis-
solúvel,
quase sem sabê-lo, à luz dos postes,
da manteiga e do
cozido.
oram as flores
que nunca aprenderam rezar...
sua oração está aí,
a cada dia quietamente,
para os olhos
e os
sentidos.
oram as flores porque existem,
porque as flores
têm
poesia,
e não palavras, mas os
homens,
só palavras, e por
isso
são
estúpidos.
os homens são todos estúpidos.
os homens e as mulheres.
mas
as
flores
são só flores, e os
canteiros, —
re-
ligião.

soneto de amor futurista

meus olhos, dois servos dos teus, sonhadores,
dois ébrios orfeus por eurídice em dores...
meus olhos-navios em teus mares de luz,
vadios por teu corpo, que a foto traduz

na tela, depois, lá distante de mim...
teus pixels, qual mel, como em favos sem fim,
se agrupam na rede e no meu coração,
na linha do tempo da minha afeição.

não posso tocar-te, nem sabes que eu sou
de tod’os teus follows quem mais procurou
na noite os teus posts tentando mentir

que os fazes pra mim, e que falas comigo,
qual fosse a tu’alma o meu único siso,
ou mais: fosse quem mi’a paixão vá cumprir.

oração entre os homens

quando a prostituta passar, ó Senhor,
que eu não desvie os meus olhos.

que a cor não seja para mim um detalhe, nem dos olhos nem da pele.
que todos tenham feições iguais e corações maiores
para mim, ó Senhor.

que tenham a mesma medida que eu tenho,
em todos os tamanhos que eu tenho.

que quando eu achar absurdo ou ridículo ou estranho ou espúrio o que
[eu vejo,
que eu saiba que o vejo, que são só os meus olhos,
— que estúpidos meus olhos que inventam barreiras para olhar.
eles olham de canto e desconfiados,
estúpidos!

que um dia os meus olhos possam ver com amor, — quando a
[prostituta passar
ou qualquer um, ó Senhor!

que um dia a gente pense com o pensamento da gente,
libertos. que um dia a gente tente com o tento
da gente, que a gente seja espertos.

que um dia a gente seja verdadeiros, desde o nascimento. sinceros.

mas que antes disso a gente aprenda.
que a gente entenda o termo “gente” no silêncio da gente.
(que antes de sermos cristãos entendamos jesus: plebeu de nazaré,
filósofo e poeta, cantor de

inteligência e coração,

e que jamais deixara nenhum pelo outro: inteligência e coração.
como são tolos os homens, meu jesus do céu!)

como são tolos os homens: na ervilha do próprio ego concentrados
[(introspectivamente) — magoando-se-lhes todo o arredor; como se
[fosse o seu mundo inteiro um
centro perfeito de orgulho e arrogância!

mas fora disso não são nada.
fora disso são idênticos a todos, uns para os outros,
e a tudo,

uma coisa do mundo a mais.
e se a mais, ainda não somam; disléxicos e retraídos:

os homens não vão a lugar nenhum!


quando a prostituta passar, ó Senhor,
olhemos para fora de nós, não mascaremos
nossas vistas.

que noss’alma compreenda que isso é só matéria estulta, forma no
[vento, teu corpo, teu credo, teu reto e o meu,
que emanam do coração por dentro e passam a existir neste tempo,
[que passa,
(este espaço, que voa);

que se torne mais leve, portanto, o teu corpo, o meu corpo,
para não afundar;

(quando o amor me visitar. quando o amor me visitar. quando o amor
[me visitar.)

que eu esteja todo inteiro por dentro,
por fora, por certo — quando o fim da minha vida me achar.
que não me restem dúvidas da minha integridade;
que o meu choro seja de culpa,
de cancro,
de calvas grisalhas intrépidas emoções,

mas que eu não esteja morto antes de estar. que eu possa chorar.

que eu não durma sem que me sinta (absolutamente)
esgotado de tudo. todo inteiro,
quando o meu tempo
acabar. quando o silêncio da minh’alma a mim me tomar.

e então — adeus!


mas que eu esteja atento,
reverencialmente atento, leve, longe e fugaz,
sem qualquer dissabor;

quando a não-profecia cumprir-se,
quando o resto
me sobrar.
quando eu, minha avó, minha mãe, meu amor...

— quando a prostituta passar,
ó Senhor!

Caixa de Recados (5 comentários)

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Às 8:52 em 24 janeiro 2017, Maria Iraci Leal disse...

Às 23:46 em 23 janeiro 2017, Maria-José Chantal F. Dias disse...

Estimado Poeta

aguardamos ansiosos a partilha de

de sua escrita entre nós!

Beijossss de poesiaaaaaaa

Chantal Fournet

Às 20:29 em 23 janeiro 2017, Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

Estimado poeta e escritor André Boniatti,

Sinto-me feliz e honrada pela tua chegada ao Portal PEAPAZ.

Por favor, insira na página do perfil, uma foto do próprio rosto, identificável. Trata-se de exigência constante no Estatuto PEAPAZ. Para as obras de arte dos peapazianos, inclusive autorretratos, temos grupo específico: Belas Artes Belas.

Cordialmente,

Sílvia Mota

Criadora do Portal PEAPAZ.

Às 20:06 em 23 janeiro 2017, Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

Às 20:06 em 23 janeiro 2017, Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

 
 
 

Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Poema ao acaso...

PLATAFORMA LATTES

É possível registrar, para efeitos acadêmicos, os textos publicados no Portal PEAPAZ. Quando se realiza o login na Plataforma Lattes, do lado direito da tela aparece uma janela com a pergunta: "O que você quer registrar?" com a listagem dos tipos de publicações a serem registradas. Entre essas, consta: "Redes Sociais, Websites, Blogs", onde o autor deverá clicar. A partir daí abrirá uma janela, na qual se realizará o registro. É necessário preencher todos os espaços.

Badge

Carregando...
*