José Aurélio Medeiros da Luz
  • Masculino
  • Ouro Preto
  • Brasil
Online agora
Compartilhar no Facebook
Compartilhar

Amigos de José Aurélio Medeiros da Luz

  • Ednaldo Florentino dos Santos
  • Críspulo Cortés Cortés
  • Etelvina Gonçalves da Costa
  • Nieves Merino Guerra
  • Maria-José Chantal F. Dias
  • Paolo Lim
  • João Pereira Correia Furtado
  • Zélia Mendonça Chamusca
  • Lais Maria Muller Moreira
  • Nefertiti Simaika
  • Mônica do S Nunes Pamplona
  • Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ
 

Página de José Aurélio Medeiros da Luz

Últimas atividades

Posts no blog por José Aurélio Medeiros da Luz

poema levemente adernado a estibordo: Isaac conjura seus demônios

Isaac conjura seus demônios J. A. Medeiros da LuzEm um ano miraculoso do passado Um pincel de luz, aflito, Insuflado de desejo divinal, Perguntou, assim de passagem, A uns átomos de hidrogênio que, vibrantes, Pervagavam pela nébula cósmica do sistema – Naquele árduo trabalho de Embrionar mais um planetesimal –, Se sabiam onde ficava, afinal, A janela voltada para o Leste Do gabinete daquele jovem Isaac, Que, no momento se esquivava Dos miasmas pestilentos que envolviam As ruelas fétidas de Londres, Supremo lar dos anglo-saxões – Na fazendola do condado foragido.E o pincel de luz achou por bem Acelerar a andadura e chegou Bem a tempo de atravessar O prisma de vidro que o alquimista Havia usado para conjurar As forças do universo em prol De sua eterna fama universal.Ouro Preto, março de 2017.Do livro: Martelo de cristal, a sair pela Jornada Lúcida Editora.Ver mais...
4 minutos atrás
José Aurélio Medeiros da Luz comentou a postagem no blog Flores ao Vento de Alexandre Montalvan
"Parabéns, caro poeta, pelo poema. Tem ele um quê de nostalgia, como se contemplássemos o pôr do sol através da poeira luminosa e dourada, coada através da ramagem de árvores murmurantes. "
13 Mar
José Aurélio Medeiros da Luz curtiu a postagem no blog LOS REYES VAN LLEGANDO de Miriam Inés Bocchio
5 Mar
José Aurélio Medeiros da Luz curtiu a postagem no blog FACES de Paolo Lim
5 Mar
José Aurélio Medeiros da Luz entrou no grupo de Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ
Miniatura

Religiões no Mundo

Tema de interesse cultural.O grupo não se submete aos que desejam - subjetivamente - exaltar religiões específicas, mas foi criado para - preferencialmente - relatar, descrever ou poetizar atos e fatos histórico-religiosos que, através dos tempos, se refletiram ou se refletem no mundo social. Não discutiremos a validade ou não de determinada religião.Espaço reservado à publicação de textos, poemas, imagens e vídeos pertinentes ao tema. A mídia e textos de terceiros somente serão aceitos quando identificados, com link para o original. Ao contrário, serão eliminados sem aviso prévio.Criadora e Administradora do Grupo:Professora Sílvia M. L. MotaVer mais...
4 Mar
José Aurélio Medeiros da Luz curtiram o evento Religiões no Mundo de Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ
4 Mar
Etelvina Gonçalves da Costa deixou um comentário para José Aurélio Medeiros da Luz
"Muito obrigada sua amizade me é cara agradeço aceitar-me como amiga e companheira do peapaz . Um abraço de amizade."
4 Mar
José Aurélio Medeiros da Luz e Nefertiti Simaika agora são amigos
4 Mar
Etelvina Gonçalves da Costa e José Aurélio Medeiros da Luz agora são amigos
4 Mar
José Aurélio Medeiros da Luz curtiram a discussão PELA FLORESTA de Marcia Cristina B. N. Varricchio
4 Mar
José Aurélio Medeiros da Luz deixou um comentário para LUCIA GUEDES (Lufague)
"Cara Lucia: Fico-lhe agradecido pela visita a meu sotãozinho, cara poetisa. Que a brisa aprazível dos sonhos continue a lhe alimentar a chama da inspiração...Abraço do j. a."
4 Mar
José Aurélio Medeiros da Luz comentou a postagem no blog Um poema para um marco miliar: Não é que estamos nos sessenta? de José Aurélio Medeiros da Luz
"Olá, cara Lucia: obrigado pela generosidade das palavras. Na verdade, fico feliz por atingir os sessenta anos com saúde razoável e um bocado de amigos, embora esse júbilo não tenha ficado patente nos…"
2 Mar
LUCIA GUEDES (Lufague) curtiu a postagem no blog Um poema para um marco miliar: Não é que estamos nos sessenta? de José Aurélio Medeiros da Luz
2 Mar
LUCIA GUEDES (Lufague) comentou a postagem no blog Um poema para um marco miliar: Não é que estamos nos sessenta? de José Aurélio Medeiros da Luz
"Profunda introspecção poética do existir. Parabéns! sucesso em seu "Martelo de Cristal," certamente, lindo pelo titulo e conteúdo. "
2 Mar
Posts no blog por José Aurélio Medeiros da Luz

Um poema para um marco miliar: Não é que estamos nos sessenta?

Não é que estamos nos sessenta?J. A. Medeiros da LuzCom brusquidão,Eis que tropeço, avoado, em mais esteMarco miliário da existência.Seis décadas passadas a voo– Mais de inseto que de ave altiva –E que, em sendo sinuoso, não se eximeDo esplendor da vista, do seguirDe bubuia a correntezaDaquela sutil fugacidade,Priorado da brisa, dos sonhos e dos ventos.E o tropeçar no pedregão da viaSó me desperta, assim subitamente,Dum cismar de nefelibata, meio autista,Tropicante pela senda afora.Ato contínuo em reação direta,Já a máquina de pensar deste voantePõe-se a calcular, em balancete,Os deveres e haveres que, na capanga,Acham-se misturados na penumbraQue a lona do embornal faculta.Saldo positivo é o que espera,Ao catalogar com frêmito os itens,Sucessos para um lado e fracassosAtulhados na outra extremidade.Mas, não sejamos impacientes,Paremos tal catalogar insano.Deixemos para o final balançoTal conta perigosa – e para os deuses!O melhor que fazemos, afinal,É isso e só isso:ImitemosOs que,…Ver mais...
28 Fev
José Aurélio Medeiros da Luz recebeu um presente de Etelvina Gonçalves da Costa
28 Fev
José Aurélio Medeiros da Luz curtiu a postagem no blog Rasgou-se o véu de João Batista de Campos
28 Fev
José Aurélio Medeiros da Luz curtiu a postagem no blog Ironia...A Vida! de Alexandre Montalvan
28 Fev
José Aurélio Medeiros da Luz comentou a postagem no blog Poema: Tesoiro de José Aurélio Medeiros da Luz
"Obrigado, caros. A propósito: na verdade as medidas da dita caixa era inclusive padronizada. Essas que aí coloquei foram as estabelecidas por umas das normas sobre o assunto. O embrião do meu desejo de escrever esse poema foi a…"
8 Fev
José Aurélio Medeiros da Luz comentou a postagem no blog Poema: Tesoiro de José Aurélio Medeiros da Luz
"Obrigado, caros. A propósito: na verdade as medidas da dita caixa era inclusive padronizada. Essas que aí coloquei foram as estabelecidas por umas das normas sobre o assunto. O embrião do meu desejo de escrever esse poema foi a…"
28 Jan

Informações do Perfil

1 - Indicar teu nome verdadeiro, por completo, e o nome a ser usado no Portal PEAPAZ.
J. Aurélio Luz
2 - Local da tua residência: cidade, estado e país. Por motivos de segurança, não indicar endereços completos.
Ouro Preto
3 - Como chegaste ao Portal PEAPAZ?
Convidado
4 - Traça-nos tua trajetória no âmbito das artes/literatura/ciência.
Brasileiro, goiano, professor da Universidade Federal de Ouro Preto (Minas Gerais), na área de engenharia de minas. Sócio quotista fundador da Jornada Lúcida Editora Ltda. Colaborou em duas antologias e publicou dois livros de poemas lusófonos e tem ainda na gaveta outros dois, programados a sair a lume, espaçadamente, até 2017. Uma centena de artigos e capítulos de livros na área de engenharia de minas (em vernáculo ou em inglês), a maioria em coautoria. É membro da Academia de Ciência de Ouro Preto e Região (ACIOP). Crê que o bom uso da cultura e da ciência pode transcender o "Homo sapiens" muito para além dos limites biológicos da ordem dos primatas.
5 - Concordas que utilizarás o Grupo Sensuais e Eróticos SE publicares imagens de nu explícito?
sim, mas não cogito publicar esse tipo de coisa
6 - Link para site/blog próprio.
https://ufop.academia.edu/Jos%C3%A9Aur%C3%A9lioMedeirosdaLuz/Poetry
7 - Insira aqui os links para teus perfis nas Redes Sociais.
jaurelio@demin.ufop.br
8 - Publica três poemas ou textos da tua autoria.
"Meu poema virtualmente antropofágico; dá licença?"

E havia aquela pedra no meio do caminho.
Assim, ante a enorme pedra no caminho,
O trajeto bifurcou-se, gerando outro caminho.
E, a seu tempo, a cada qual desses caminhos
Houve uma nova pedra atravancando o caminho.
Bifurcaram-se novamente os dois caminhos
Expandindo-se a área palmilhada do terreno
Em quatro novos caminhos, que seguiam
Em sua função de permitir
O avanço do viajor rumo ao destino.
E pedras novas postaram-se a meio dos caminhos
E novas bifurcações as superaram.
Então, entre pedras e bifurcações, alguns caminhos
Se fundiram novamente, insulando
Os antigos obstáculos
E, nesse procedimento recorrente,
Ao final se teve esta visão:
Em anastomose, facultando todos os itinerários,
Um arquipélago fractal
De pedras mil aprisionadas
Dentro de um mar de caminhos,
Resultando – por assim dizer –
Mil pedras jacentes ao lado dos caminhos.
(Minaçu, 1998; do livro "Tempos de Vindima", de 2014).

"Meu mundo e a lua"

Lua, minha amada companheira,
Tu que és para mim
Branca cadela que vagueia à noite,
Buscando, no espaço, ninho entre as estrelas,
Por que não vens te enrodilhar mansinho
Sobre o tapete, ao pé de nosso leito?
Faz frio aí fora e a aragem
Está de enregelar os ossos!
Deixa o apelo das canções da noite
Que o vento suscita na ramagem úmida:
Que minha vigília vele teu sono
E que durmas ao pé de nossa cama,
Até que os clarins luminosos da alvorada
Te desvaneçam as formas, que, de tua presença,
Fique só a impressão de que foi tudo um sonho.
Então, a minha mulher companheira
Há de acordar, a meu lado, e cheia de zelo,
Irá me perguntar se tive insônia...
(Belo Horizonte, 1987; do livro "Tempos de Vindima", de 2014).

"Pervagância"

Visando a não perder os passos pelos descaminhos
Desta pluma de tempo a se escoar
Da chaminé das horas,
Peregrinos em busca de nirvana,
Da sombra de oásis a nos dessedentar,
Vamos seguindo assim por esta região,
Tostada pela seca e na expectância
De dias mais úmidos.
E eis que, qual novo Leonardo,
Em pareidolia reconfortadora,
Nas gretas dessa argila de ressecamento,
Entre cem grifos, hidras e dragões,
Vislumbramos de você tão-que-perfeita
Face de mui serena ninfa, sim.
Delicada miragem, fantasia,
A se esfumar, espadanando-se na bruma,
Assim que miramos
Para além daquele tremeluzir
De éter bailante sobre o difuso
Ocre das dunas no amanhã,
Colossalmente imemoriais.
Concluímos, afinal, que as esfinges,
Se é que as há
(E dizê-lo dói-nos um bocadinho),
Habitam, ao fim e ao cabo,
As penumbras de nosso mundo interior;
Remirando-nos
Desde nossa silente sala dos desejos,
Abismais.
(Ouro Preto, 2016; do livro "Um óvni em meu jardim",de 2016).

Blog de José Aurélio Medeiros da Luz

poema levemente adernado a estibordo: Isaac conjura seus demônios

Postado em 26 março 2017 às 0:00 0 Comentários

Isaac conjura seus demônios

J. A. Medeiros da Luz

Em um ano miraculoso do passado

Um pincel de luz, aflito,

Insuflado de desejo divinal,

Perguntou, assim de passagem,

A uns átomos de hidrogênio que, vibrantes,

Pervagavam pela nébula cósmica do sistema

– Naquele árduo trabalho de

Embrionar mais um planetesimal –,

Se sabiam onde ficava,…

Continuar

Um poema para um marco miliar: Não é que estamos nos sessenta?

Postado em 28 fevereiro 2017 às 22:30 2 Comentários

Não é que estamos nos sessenta?

J. A. Medeiros da Luz

Com brusquidão,

Eis que tropeço, avoado, em mais este

Marco miliário da existência.



Seis décadas passadas a voo

– Mais de inseto que de ave altiva –

E que, em sendo sinuoso, não se exime

Do esplendor da vista, do…

Continuar

Poema: Tesoiro

Postado em 23 janeiro 2017 às 18:20 5 Comentários

Tesoiro

 J. A. Medeiros da Luz

Um enferrujado poema náutico, para tempos de sombra...

 

Engajei-me com armas e bagagem,

Numa velha galeota que singrava

Os mares tenebrosos, integrando

A aventurosa frota que fazia

A Carreira da Índia, mui briosa.

Tudo por causa – ora vejam –…

Continuar

Poema: "Convocação"

Postado em 12 novembro 2016 às 20:00 1 Comentar

Convocação

J. A. Medeiros da Luz

 

Longe de possuir

As mais dulciolentes das corolas,

O vulto do ciclâmen diz-me olá

Cromática e eloquentemente,…

Continuar

Caixa de Recados (11 comentários)

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Às 12:58 em 4 março 2017, Etelvina Gonçalves da Costa disse...

Muito obrigada sua amizade me é cara agradeço aceitar-me como amiga e companheira do peapaz . Um abraço de amizade.

Em 9:46pm on fevereiro 28, 2017, Etelvina Gonçalves da Costa deu para José Aurélio Medeiros da Luz um presente...
Presente
Meu caro aqui lhe deixo os meus votos de imensa felicidade paz saude e amor neste aniversário e que daqui a um ano o possa vir felicitar com muit alegri. Um abraço parabéns..
Às 4:28 em 26 janeiro 2017, Mônica do S Nunes Pamplona disse...

Grata poeta, pelos seu carinhoso voto de felicitação.
Abraço.

Às 3:15 em 10 janeiro 2017, Mônica do S Nunes Pamplona disse...

Bem-vindo, José Aurélio.
Honrada em fazer parte de seu rol de amizade.

Em 6:14pm on dezembro 13, 2016, Zélia Mendonça Chamusca deu para José Aurélio Medeiros da Luz um presente...
Presente
Olá, Amigo, José Aurélio Medeiros! Seja bem vindo!
Em 8:31pm on maio 30, 2016, Suzanaheemann deu para José Aurélio Medeiros da Luz um presente...
Presente
Ola'!
Às 22:28 em 25 abril 2016, ROSEMARIE PARRA disse...

Às 22:05 em 23 abril 2016, Maria Iraci Leal disse...

Em 6:44pm on abril 23, 2016, Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ deu para José Aurélio Medeiros da Luz um presente...
Presente
Poética admirável! Parabéns! Grata, por aceitares meu convite. Beijossssssssssss
Às 18:41 em 23 abril 2016, Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...

 
 
 

Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Poema ao acaso...

PLATAFORMA LATTES

É possível registrar, para efeitos acadêmicos, os textos publicados no Portal PEAPAZ. Quando se realiza o login na Plataforma Lattes, do lado direito da tela aparece uma janela com a pergunta: "O que você quer registrar?" com a listagem dos tipos de publicações a serem registradas. Entre essas, consta: "Redes Sociais, Websites, Blogs", onde o autor deverá clicar. A partir daí abrirá uma janela, na qual se realizará o registro. É necessário preencher todos os espaços.

Badge

Carregando...
*