junho 2010 Posts no Blog (275)

Quando de mim sou ausente....

Quando de mim sou ausente...



Ando naqueles dias de repartimento,

Repartir.

Quando há algo na engrenagem que se amiúda dentro de você, e vai repartindo, repartindo, remoendo,mastigando, lacerando...

Esfacelar.

Algo que parte e espedaça,

Desalenta.

Ando acabrunhada de mim.

Um não sei que de revoltosa maresia,

Se um barco, a esmo, quase a naufragar...



Se naufrago, a mitigar a… Continuar

Adicionado por Escrever é partilhar em 30 junho 2010 às 21:16 — 1 Comentário

Fragmentos de Estação



Fragmentos de Estação



“... Há algo que jamais se esclareceu:

onde foi exatamente que larguei

naquele dia mesmo o leão que sempre cavalguei?

Lá mesmo esqueci

que o destino

sempre me quis só

no deserto sem saudades, sem remorsos, só

sem amarras, barco embriagado ao mar...”; INVERNO, de Antonio Cícero.



Tem de mim nessas palavras, tem de mim nesse leão.

Inverno é letra, poesia,…
Continuar

Adicionado por Escrever é partilhar em 30 junho 2010 às 20:30 — 1 Comentário

AH! ESSE OLHAR!

Os teus olhinhos, quais jabuticabas,

Mais negros que as noites sem luar,

Que ficam sempre assim a me espreitar

De modo arisco, como o das piabas...



Mas tem a forte liga das mangabas,

E tanto a mim me espreitam, sem cessar,

É forte, ancho, qual profundo mar

E tem também doçura das goiabas...



Com esse olhar de noite sem estrelas

Eu fico frágil, louca de paixão...

E sinto-me também tal qual… Continuar

Adicionado por Edir Pina de Barros em 30 junho 2010 às 9:00 — 2 Comentários

POBRE TROVADOR!



Sou trovador e versejo

Humildemente meus versos

Todas as vezes que eu vejo

Vossos encantos diversos...



Vosso amor, sequer, almejo...

Meus sentimentos imersos

Na lira, calado, arpejo

Transformo em versos dispersos...



Não ouso pedir-vos nada,

Nem um olhar, um regalo,

Cantar-vos-ei meu amor!



Não podeis ser minha amada,

Sois rainha! Sou vassalo,

Vosso pobre… Continuar

Adicionado por Edir Pina de Barros em 30 junho 2010 às 8:25 — 2 Comentários

Velha sombra

Indago a velha sombra:
que ausência me completa
em que cansaço existo
se da platéia seleta
sou o quisto?

Adicionado por Jaime da Silva Valente em 30 junho 2010 às 0:28 — 2 Comentários

Felicidade é ter você



Felicidade bate à porta, caminho ao encontro...

Todas as agruras tiveram seu tempo

Agora o canto dos pássaros entoam no vento

Sinais de alegrias vigiam meus passos.



Desperto o meu mais puro sentimento

Elevo em mim esta aura única minha

Sorrio entre flores, jardins, plumas

Já tão mais me pertence este perfume.



Felicidade, sim é meu nome...

Hoje tenho você ao meu lado,

O amor tão…
Continuar

Adicionado por Marcia Moreno em 29 junho 2010 às 23:47 — 4 Comentários

Balas de amor trocadas não causam dor



Amor que me ama...

Dá-me uma bala na boca

Atinge minh'alma com doçura...



Inspira meu desejo com o impacto

De um sabor de frescor nos meus lábios

E depois do ato inesperado agarra-me!



Sente meu respirar com cheiro de morango

Carrega-me nos braços até o reino...

Entre papéis celofane, desperta-me...



Abre os meus olhos para o ensejo realizar

Entre o líquido grená que escorre,…
Continuar

Adicionado por Marcia Moreno em 29 junho 2010 às 23:00 — 2 Comentários

...um mundo encantado... (DUETO)

Pequenas pegadas

seguem ao longo da estradinha de terra

margeada por sombrosos eucaliptos

encantando corações, perfumando o infinito.



Atmosfera perfumada que faz da vida um eterno prazer;

a natureza se enfeita e oferece seu amor pelo caminho;

sombras que filtram o sol e oferecem um belo viver;

no seu encanto, os pássaros cantam e fazem seu ninho.



...lembrança de uma doce infância

que ecoou ao vento solta como um grito.



Os… Continuar

Adicionado por Cristina Bonetti em 29 junho 2010 às 20:02 — 3 Comentários

Não sei falar de amor...

Não sei falar de amor, só sei falar de você...

Das suas palavras marcantes que invade minha alma e explora meu coração.

Não sei falar de amor, só sei falar de você...

Que tantos encantos têm que me ama como ninguém e me faz feliz.

Não sei falar de amor, só sei falar de você...

Que fez a minha vida mudar, que tornou meu sonho real.

Não sei falar de amor, só sei falar de você...

Que nos momentos de ternura, segura… Continuar

Adicionado por Suzy Antunes em 29 junho 2010 às 19:37 — 3 Comentários

Hoje deu-me para assobiar...

Não é uma questão de compostura

Há valores que me incutem com defeito

Mulher que assobia é olhada com despeito

Pior um pouco se a dita já for madura...



Há um sibilar, um silvo agudo, um desvario

uma porta que se abre à liberdade

Coisas de impulso, um capricho ou veleidade

é só um som, nada mais que um assobio



Eu também canto quando o sol me acaricia

ensaio um trinado, um hino à alegria

Largo o soneto, já não quero… Continuar

Adicionado por Maria Fernanda Reis Esteves em 29 junho 2010 às 18:17 — 3 Comentários

Vida

Trago no corpo o perfume do desejo, delírios da sensualidade.

Em seus lábios, deito meus beijos.

Na noite eternal, no leito macio,

faço amor contigo,

ao doce sabor de seu mel.

Jorrando felicidade,

as palavras esparsas explodem

em meu peito, nestes doces versos,

no êxtase da volúpia incontrolável

da paixão.

Na sede infindável do meu insano querer,

nesta avalanche de amor, carinho e…
Continuar

Adicionado por Kátia Claudino Caetano Pereira em 29 junho 2010 às 16:53 — 5 Comentários

Desejo de você

No meu aqui, no meu agora,

nessa hora preciso viver.



Tenho sede,

tenho fome,

tenho desejo de amar

e ser amada.



No meu aqui,

no meu agora,

ofereço-te meus beijos ...

se embriague deles

na taça de meus lábios,

liberta-me dos meus medos,

deixa-me sem culpa.



No meu aqui,

no meu agora,

no néctar de sua saliva

permita-me perder-me de mim

neste terno…
Continuar

Adicionado por Kátia Claudino Caetano Pereira em 29 junho 2010 às 16:38 — 4 Comentários

Meu Deus, como te amo!

Encontrar-te assim é o céu para mim, você que é meu presente, súbita fonte de minha vida, agora eu sei e não faço segredo Canta para ti o meu coração.

Eu preciso de você, de viver este amor.

Tenho febre de desejos.

Meus sentidos estão a ti sentir,

é meu doce pecado,

apaixonei-me por ti.

Hoje me faço prisioneira de teus belos olhos... quero ver-me bailando dento deles.

Estou aqui. Vem ter comigo, me faça…
Continuar

Adicionado por Kátia Claudino Caetano Pereira em 29 junho 2010 às 16:20 — 9 Comentários

Louca de saudades

Procurei-te na noite, mas você não estava. Subi as escadas do céu e olhei para o infinito do universo, do outro lado do mundo, por longas horas, no tempo e espaço viajei bem além dos planetas, mas não estava lá.

Então percebi que para onde eu olhava, uma luz esplendorosa me guiava; era a luz da lua branca, em festa, acesa, brilhante e radiante, guardando em segredo todos os meus desejos de paixão.

Meus olhos brilham, sei que meu…
Continuar

Adicionado por Kátia Claudino Caetano Pereira em 29 junho 2010 às 16:09 — 4 Comentários

CADÊ?!





Cadê aquelas mãos tão firmes, ternas,

Que me afagavam sempre com carinho?

E entornavam amor em nosso ninho,

Naquelas horas breves, mas eternas?!



E que exploravam meus confins, cavernas...

Deixando os meus lençóis em desalinho?

E derramavam sobre mim o vinho,

Que se escorria entre as minhas pernas?!



Cadê aquela voz macia e rouca,

Que murmurava em meus ouvidos juras?

Aquele olhar… Continuar

Adicionado por Edir Pina de Barros em 29 junho 2010 às 15:08 — 4 Comentários

O Vestido Azul

Você acorda toda manhã de um dia qualquer,

Mas na verdade a noite continua asfixiante,

Tudo se mantém tão áspero e turvo quanto antes,

E ainda prefere acreditar que os fantasmas foram embora.





Seus olhos observam gradativamente o espelho,

Inútil saída: o reflexo não é mais a sua esfinge,

Aposta que mais tarde a aparência irá melhorar,

Na verdade você tem medo de se encontrar.





Fragmentaram o seu passado como um copo de vidro ao… Continuar

Adicionado por Wellington Fontes Menezes em 29 junho 2010 às 12:04 — 2 Comentários

Florbela Espanca e ""Os versos que te fiz""

“ Irmã, Sóror Saudade, ah! se eu pudesse,

Tocar de aspiração a nossa vida,

Fazer do mundo a Terra Prometida

Que ainda em sonhos às vezes me aparece!"

Américo Durão



Florbela Espanca por outros poetas



Um modelo de inspiracao de Florbela foi o poeta Americo Durao que encontroudurante os seus estudos em Lisboa e que é o criador do nome Soror Saudade como ele assim chamou Florbela num dos seus poemas, nome que Florbela posteriormente usou como o nome da… Continuar

Adicionado por Arlete Brasil Deretti Fernandes em 29 junho 2010 às 11:16 — 2 Comentários

AMO!



Eu amo gente que chorar se atreve

Em meio a todos, sem qualquer pudor,

Que se comove, sofre por amor...

Que a alma voa livre e sempre leve.



Aquele que se dá num instante breve,

Ao perceber no outro imensa dor,

E justo é, não importa onde for,

E que poesia neste mundo inscreve.



Que estende as mãos na hora certa, exata!

E traz no olhar carinho, paz, candura,

E é só luz nas horas tão… Continuar

Adicionado por Edir Pina de Barros em 29 junho 2010 às 10:00 — 1 Comentário

Musa da praia

Inspirado na Obra "Entre ondas e areia..."

da Poetisa Sílvia Mota.





Musa da praia



Nas mansas águas, areia

Teu corpo nu estendido

Languidamente, sereia

Musa do poema perdido

Abraço d’água e olvido.



Inspira a palavra jovem

Musa do meu acalanto

Sem penumbra nem lamento

Dispersa ao vento do encanto

Os sonhos sem fundamento.



Estendiçada na praia

Teu recato dissolvido

Nesse vasto areeiro

Seduz… Continuar

Adicionado por Jaime da Silva Valente em 29 junho 2010 às 1:03 — 2 Comentários

Seara



canvas prints

(Imagem obtida na internet)



Branca seara de vento

e jejum,

andorinhas de fuligem

e ventania,

por sobre os olhares bailarinos

sulcam bátegas de sons

traindo o espesso odor

a terra nua,… Continuar

Adicionado por Paulo César em 28 junho 2010 às 14:30 — 1 Comentário

Arquivos mensais

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

1999

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...