agosto 2010 Posts no Blog (322)

Sensualidade

Contornos delicados

Num corpo natural,

Para serem apreciados

De forma especial;



Uma roupa atrevida,

Usada com naturalidade,

É um chamamento da vida,

Para a pura sensualidade;



As hormonas ficam em acção,

A libido acelera o coração,

Acende-se o fogo da paixão,



Quando, de forma natural,

Ficas com grande excitação,

Perante uma visão… Continuar

Adicionado por Miguel Piçarra em 31 agosto 2010 às 21:06 — 3 Comentários

Paz

Sentimento de tranquilidade

Que invade todo o nosso ser,

Depois de uma hostilidade,

Podemos sentir o seu poder;



Quando as hostes se acalmam

E os homens podem dar as mãos,

Ultimando que quando se conciliam

Sabiamente, todos somos irmãos;



Este é um caminho, muito eficaz,

Para conquistar, com verdade,

O notável e ilustre dom da paz;



Poderás, sempre, sentir a serenidade,

De…
Continuar

Adicionado por Miguel Piçarra em 31 agosto 2010 às 20:59 — 3 Comentários

Amar

Amar é estar presente, no momento certo,

Mesmo que seja imperativa a tua ausência,

De alma e coração teremos que estar perto,

Isso estabelece-se na própria consciência;



Amar é sentir o que o outro sente,

Muito antes de ele nos poder contar,

É ter, sempre, no coração, patente,

Que existe alguém para partilhar;



Dá o teu amor livre e espontaneamente

Sem esperares, de imediato, a…
Continuar

Adicionado por Miguel Piçarra em 31 agosto 2010 às 20:56 — 3 Comentários

LUA MENSAGEIRA (Talentai)


Adicionado por Marcia Moreno em 31 agosto 2010 às 20:50 — 2 Comentários

Todas as horas...

(Imagem obtida na internet)



Na vida há horas para tudo!



Horas de rir e de chorar

Horas de pensar e de agir,

Horas de querer muito, de sonhar,

Horas de chegar e de partir…



Há até horas que a desoras,

São pesadas demais e tão sombrias

Que, com tudo nelas, te apavoras

E com o mesmo tudo te inebrias!



Há horas medonhas, horas rudes,

Horas de ser louco e despeitado,

Horas de… Continuar

Adicionado por Paulo César em 31 agosto 2010 às 19:46 — 1 Comentário

Dizer não basta!

(Imagem obtida na internet)



Dizer não basta!

Bastante é sentir e calar

Para demonstrar depois, em rodapé,

Quando as nuvens se colarem, unidas,

A esconder o azul

E a luz!



Dizer é tão pouco…

Perdem-se entre o sentir e o exprimir

As imagens e os vocábulos,

Os corpos e os espíritos…



Sobram apenas os suspensos

Ímpetos,

Os desejos vazios,

A vontade abstracta,

Tão nua… Continuar

Adicionado por Paulo César em 31 agosto 2010 às 18:30 — Sem comentários

Dois poemas, duas artes- Enquanto houver Esperança-poema de Clevane Pessoa, sobre fotoArte de Fernado Barbosa.Talha, poema ilustrada por Talha de Romão Silva







Talha de Romão Silva e poema de Clevane Pessoa























A imagem acima é uma talha ("Romão Silva.

MEUS TRABALHOS: Eis aí alguns de meus trabalhos artesanais. Informo ao visitante que não sou artista plástico, mas, apenas um curioso autodidata preocupado em fazer algo que nos pareça razoavelmente belo. São entalhes em madeira… Continuar

Adicionado por Clevane Pessoa em 31 agosto 2010 às 13:00 — Sem comentários

FESTA NA ALDEIA

FESTA NA ALDEIA



Voltei ao ponto de partida

Solto a palavra precipitada

E é mais um dia de Vida

De alegrias salpicada.

Há fogo de artifício no ar

A jorrar!

Que ninguém pode calar.



Há festa na aldeia

E uma embriaguês que me faz girar

Está de alegria tão cheia

A aldeia...

Que ri o luar!



O luar de Agosto que tudo alumia

Fazendo pirraça!

Ao sol que alumia o… Continuar

Adicionado por natalia canais nuno em 31 agosto 2010 às 11:47 — 6 Comentários

Me permita ser...

Esta poesia tem destinatário... E é uma resposta a um outro poema!



(Imagem obtida na internet)



Me permita ser transparente

E fluir no seu silêncio

Para enxugar suas lágrimas

Salgadas de dores mofinas!



Me permita ser sombra

E colado aos teus passos

Seguir contigo a descobrir as flores

Que emergem na quietude intemporal!



Me permita ser o ar que absorves

Para…
Continuar

Adicionado por Paulo César em 31 agosto 2010 às 7:17 — 2 Comentários

Mistério da alma

Adicionado por João Ademar Ramires em 31 agosto 2010 às 7:00 — Sem comentários

DESTINO EM DESATINO



Seu Olavo despertou com um barulho suspeito,vindo do corredor em direção ao seu quarto.

-Mas como,se seus dois filhos estavam viajando naquele feriadão!- Pensou.

Como alguém conseguiria burlar a segurança tamanha hora da madrugada?!

Homem correto.Sócio de uma rede de super mercado,posição social bastante elevada.O que lhe permitia proporcionar uma vida estável e segura a sua família.Um eterno apaixonado pela sua esposa.Casados a… Continuar

Adicionado por Mônica do S Nunes Pamplona em 31 agosto 2010 às 6:24 — 3 Comentários

Hidrologia [7ª Lição]



Meu grito não é mais meu.

Meu grito,

já é da morte.



É de todos, menos meu.

Meu grito é outro.

É de silêncio...



É o teu grito.

Que não vai mais existir.

Só não vai mais ser o meu.



Eu, e meu grito...

Nem o teu...

Trás de volta.



Meu grito terá partido.

Junto comigo.

Para onde você irá também.



Sem que queira.

Sem nenhuma intenção

- que… Continuar

Adicionado por Vinícius Antônio Bittencourt em 31 agosto 2010 às 2:20 — 2 Comentários

Hidrologia [6ª Lição]



Não te vês, agora.

- assim tão claro,

tão nitido...?



Não enxergas teu rosto.

- tão humido, tão

versátil, e denso?



Não vês, que tu és espelho.

Sem máscara...

- poluído por quem ama?



(Se poluíndo em tua vida.

Eterna.

Até que se transforme.



E só deixe a tua poluíção...)

És incapaz de aprender com o Sol

- a ser quente, como o resto das… Continuar

Adicionado por Vinícius Antônio Bittencourt em 31 agosto 2010 às 2:08 — Sem comentários

Hidrologia [4ª Lição]



Teu rosto não esta no espelho.

(como me faço despercebido...)

Tua alma não descansa em teu peito.

(como ela anda despercebendo-se...)



Como andamos como andamos?

Como somos o que vamos sendo...?

Como podemos ser como somos

- meros reflexos de nós mesmos -?



(diluindo-nos em tantos anos, de nós, apenas...)

Você não descansa em tu mesmo.

Desapareceu como os restigios de tua alma.

Tu és… Continuar

Adicionado por Vinícius Antônio Bittencourt em 31 agosto 2010 às 1:45 — 1 Comentário

Hidrologia [3ª Lição]



Ande pela terra

- noutros lugares anda tua alma.



Como você

que, na terra,

anda por outro mundo.



Esquecendo-se.

Encontrando-se

onde não esta.



Ande pela terra

com teu corpo!

- noutro mundo vai tua alma.



Onde você não pode ver.

Onde você não pode chegar.

Onde teu corpo não pode existir.



Por isso teu corpo é tão pesado

- por não aceitar por onde… Continuar

Adicionado por Vinícius Antônio Bittencourt em 31 agosto 2010 às 1:37 — Sem comentários

Hidrologia [5ª Lição]



Por que te entregas ao Sol?

Por que... Quando tua alma é água.

Por que te entregas tanto...?

- para se aquecer, para se chover -



O calor em ti não dura. Se perde

como a tua forma.

Ele se esquece de ti,

como a tua forma.



Então para que se entregas ao Sol?

(E da escuridão vem surgindo um voz;)

- Para não me matar de… Continuar

Adicionado por Vinícius Antônio Bittencourt em 31 agosto 2010 às 1:30 — Sem comentários

Hidrologia [2ª Lição]



Chovo como a água.

Em qualquer lugar.

Por qualquer fresta.

Acumulo-me.



Sinto-me como a água.

Em qualquer lugar.

Concentrado. Esquecido.

Evaporando...



Sinto como sou.

Sinto a falta do que sou.

Como a água, não me sinto.

Sinto até quem não conheço.



E só vou sabendo da falta de mim...



Esta, vai me sentido

como alguém conhecido.

E pros abismos de… Continuar

Adicionado por Vinícius Antônio Bittencourt em 31 agosto 2010 às 1:24 — 1 Comentário

Hidrologia [1ª Lição]



Sempre grito quando não tem ninguém.

E sou tragado pelo céu,

como um suspiro.



Toda minha fumaça

vai sumindo

nas gotas da chuva.



Grito quando não tem ninguém.

E séculos caem do rosto.

Rostos caem de mim.



É assim que nascem as estrelas.

E meus amigos andarão sobre elas...

Até os que criei.



Alguns, elas serão.

Serão elas,

todas pisadas.



No… Continuar

Adicionado por Vinícius Antônio Bittencourt em 31 agosto 2010 às 1:00 — Sem comentários

Lábios do Céu

Quando encontro-me disperso em mim,

Os meus olhos acariciam o horizonte

Como uma brisa suave nos jardins

Porque eu sei que lá o Sol se esconde

Privando-me de tudo que me seduz...



Lá no distante horizonte onde o mar

Beija os doces lábios azuis do céu,

Eu procuro a paz que me falta n’alma.

Ele está ao meu alcance, tão perto de mim

E ao mesmo tempo tão distante se faz.



CLÁUDIO AVELINO DA… Continuar

Adicionado por Cláudio Avelino em 30 agosto 2010 às 23:00 — 3 Comentários

Inteligência?... Que bobagem...







Inteligência?... Que bobagem...


Triste é que nos dias de hoje os vocábulos "estrela" e "modelo" façam-se, quase sempre, acompanhar de uma foto de homem musculoso, portador…
Continuar

Adicionado por Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ em 30 agosto 2010 às 22:30 — 3 Comentários

Arquivos mensais

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

1999

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...