setembro 2010 Posts no Blog (310)

CORALISTAS DA POESIA

CORALISTAS DA POESIA



MOR



Coralistas da poesia

Logo a a ensaiar.

Com toda bela porfia

O canto apresentar.



Coralista em ação

Logo do poeta.

Vem toda a emoção

Tudo já completa.



Cantar a poesia do mundo

Logo no belo ensaiar.

Nem pensa no submundo

E logo se apresentar.



Poetas Del Mundo a sonhar

O refúgio da poesia.

Numa só voz logo a cantar

Vai mostrar já sua magia.



São… Continuar

Adicionado por Mário Osny Rosa em 30 setembro 2010 às 21:51 — 2 Comentários

BRAVURA DO POETA

BRAVURA DO POETA



MOR



Poeta é um visionário

Que das suas observações.

Seus versos um relicário

Sempre os torna em emoções.



Quando o descreve um momento

No seu lídimo poetar.

Da alegria ou lamento

A alma vai alimentar.



Nunca é um temerário

No expor sua poesia.

No seu meio temporário

De nada ele já temia.



De sua mente a intuição

A bravura logo mostra.

Sempre de sua criação

Como uma… Continuar

Adicionado por Mário Osny Rosa em 30 setembro 2010 às 21:50 — Sem comentários

ARAGUAIA

ARAGUAIA



MOR



Araguaia será emoção

Da história que já passou.

Qual seria a comoção

Que tudo que lá registrou.



Reviver este momento

Para quem não conhece a história.

Seria o maior lamento

Daquilo que não ficou na memória.



Num momento delicado

No mostrar aquele cenário.

Fica logo complicado

No badalar do campanário.



Seria criar um tumulto

Num afronto a este povo.

Em momento… Continuar

Adicionado por Mário Osny Rosa em 30 setembro 2010 às 21:47 — Sem comentários

NO TEU CORPO ...

NO TEU CORPO...



No teu corpo,

Minhas mãos criam vida.

Em carícias te exploram.

Numa direção resolvida.



Conheço o caminho a percorrer.

Sei do final dessa estrada.

Me alicia ao prazer do teu gozo.

Ponto de partida e chegada.



Em teu corpo,

Eu me desmancho.

Me sacio,

Sem comando.



Na explosão desse prazer.

Que envolve magia e amor.

Te sinto em… Continuar

Adicionado por Mônica do S Nunes Pamplona em 30 setembro 2010 às 21:00 — 7 Comentários

Sonata de mil e um matizes

Há todo um bosque encantado

uma floresta autóctone

de folhas verdes elípticas

Por vezes caduca o sonho

Sonata de mil e um matizes

Trago nos olhos a água

Efeitos de clorofila



Em mim mora esta saudade

Nascente duma verdade

Árvore de folha caduca

É todo um ecossistema

É este o ar que respiro

Toda uma mata de esperança



Há espécies em desalinho

Um vento que tudo… Continuar

Adicionado por Maria Fernanda Reis Esteves em 30 setembro 2010 às 17:26 — Sem comentários

AMAR ES.... // A MARÉ - DUETO CON ZECA AVELAR Y SU ARTE -

Amar es……

Continuar

Adicionado por Nieves Merino Guerra em 30 setembro 2010 às 16:30 — Sem comentários

O MAIS BELO CENÁRIO

O MAIS BELO CENÁRIO



MOR



O belo rio Araguaia

No centro deste Brasil.

O mais belo entardecer

Com um céu cor de anil.



Ao revelar esta beleza

Durante esta novela.

Do telespectador a certeza

Tudo que ali revela.



Nosso cinema na contra mão

Perde toda esta beleza.

Logo as histórias de emoção

Com coragem e esperteza.



Aquela beleza conquistar

Num belo filme de amores.

Aquele cenário a… Continuar

Adicionado por Mário Osny Rosa em 30 setembro 2010 às 13:16 — 1 Comentário

Mistério

Na esplanada sem mistério

da rua onde joguei bola

a alma se desconsola

ao ver a vida errante

na solidão que me isola.

Desconheço-me

suicídio doidivanas:

poucas máquinas renegam

tantos cortadores de canas.

Se me desconheço, como acreditar

nos que dizem saber quem sou?

A cada viagem renasço estupefacto

com a minha inesperada inocência

ao captar o poema incompreendido.

Rola o mundo fantasia

nos passos em suspensão

que… Continuar

Adicionado por Jaime da Silva Valente em 30 setembro 2010 às 13:09 — 5 Comentários

Jasmineiro Florido.

.



Chuvas de verão caem torrencialmente

Exala para dentro de casa o cheiro

de terra molhada, de grama cortada,

que o calor expande deliciosamente.



Suave perfume desprende-se do jasmim miúdo

e florido. Na história que li,estas florzinhas

eram preferidas de D. Pedro I, quando

Imperador do Brasil. Ele mandou plantá-las

por muitos lugares da corte.



Esta imagem faz delinear-se em minha… Continuar

Adicionado por Arlete Brasil Deretti Fernandes em 30 setembro 2010 às 13:00 — 3 Comentários

MINHA PÉROLA

MINHA PÉROLA



MOR



Minha pérola quebrou

Do brilho da primavera.

Nem o dueto sobrou

Tal como uma quirera.



Da beleza de uma flor

Do perfume esbaldando.

Tal seria a minha dor

Logo já me condenando.



Logo o título a mudar

A poesia ainda vive.

Continuo a preservar

Como bela primavera.



Poesia de minha autoria

Nem penso em copiar.

Nem preciso de alforria

Muito menos em… Continuar

Adicionado por Mário Osny Rosa em 30 setembro 2010 às 12:47 — Sem comentários

DESERTO DA ATACAMA

DESERTO DA ATACAMA



MOR



Reverencia ao deserto

Com suas flores coloridas.

Naquele lugar incerto

Como podem terem vidas.



Seria as orações dos mineiros

Que dariam aquelas vidas.

Naquele trabalho bem ordeiro

Logo ali estão floridas.



Quando de lá sair ali encontrar

Seria aquele momento.

Ao céu uma oração elevar

No maior agradecimento.



Num obelisco marcar

O infausto salvamento.

Cada nome… Continuar

Adicionado por Mário Osny Rosa em 30 setembro 2010 às 12:42 — 1 Comentário

O BRILHO DA PRIMAVERA

O BRILHO DA PRIMAVERA



MOR



Da brilhante primavera

Belos campos já floridos.

Do colorido que impera

Seus perfumes exauridos.



Dos colibris instigantes

No momento de voar.

Fica ali por instantes

O doce néctar a sugar.



Nesta bela primavera

Os olhos logo enchendo.

Onde a alegria impera

De tudo que vai vendo.



Colorido o verde embeleza

Do ipê roxo e amarelo.

Por tudo que a natureza zela

Da… Continuar

Adicionado por Mário Osny Rosa em 30 setembro 2010 às 12:40 — Sem comentários

Cenário de Primavera.



Na água a fertilização da terra

Em torno da beleza!

A Mãe natureza, rios e lagos.

As suas margens! Tudo a cantar.



Nos ramos e galhos... pássaros

Mostram sua versão musical.

É a maravilhosa Primavera

Flores a nos alegrar





Fartemo-nos desse momento

Luzes e belas cores.

A destruir de vez com nossas dores.



Refleteindo nas águas o céu azul

Tal qual, o deslumbrar do… Continuar

Adicionado por Kátia Claudino Caetano Pereira em 30 setembro 2010 às 12:36 — Sem comentários

DESARMAMENTO PARA A PAZ

DESARMAMENTO PARA A PAZ



MOR



Não desarme o seu país,

Mas desarme todos os países.

Não desarme o seu povo,

Mas desarme todos os povos.

Não desarme os bons,

Desarme todos os maus.

Desarme todos os bandidos,

Que os bons viverão.

Desarme os ricos, os poderosos,

Para que os pobres, os desvalidos.

Tenham mais alimentos nas mesas,

Saindo do submundo das cruezas.

Triturem todas as armas,

Para que não sejam… Continuar

Adicionado por Mário Osny Rosa em 30 setembro 2010 às 12:28 — Sem comentários

UMA ÁRVORE!



Insignificante até de se notar

A beleza então! Poucos a ela vêem.

Algumas privilegiadas

Na Primavera pelas flores ornamentadas



Há! Pobres humanos inconseqüentes

Derrubadas e queimadas insistentes.

Tiram o AR de nossas gentes.

Ai a poluição! Sufoco intermitentes.



Árvore!

De longe nem posso imaginar

Está a me purificar o ar.



Natureza que és minha AMIGA exposta.

Nós… Continuar

Adicionado por Kátia Claudino Caetano Pereira em 30 setembro 2010 às 12:14 — Sem comentários

ALDEIA GLOBAL

´

ALDEIA GLOBAL - óleo s/tela - Marco Bastos


DEMAGOGIA

a_versão e o fato...
entre a voz e o ato
- há um hiato.

Marco Bastos



´

Adicionado por Marco Bastos em 30 setembro 2010 às 12:00 — 8 Comentários

Longe, de onde vem o vento

Longe de onde vem o vento
Furioso
Fusiforme
Fútil
Vem o meu contentamento
Dedilhando a lira inútil;
Vem você, sem sentimento,
Com sua alegria fútil
Querendo ser meu alento
Com um prazer inconsútil.
Vai com teu cantor sardento
Cantar a canção inútil
Que de onde vem o vento
Furioso
Fusiforme
Fútil
Vem a pedra onde me sento
No último descanso inútil.

Adicionado por Jaime da Silva Valente em 30 setembro 2010 às 11:57 — Sem comentários

Renasci

Renasci

Renasci num beijo teu
Como nas historiazinhas
E à luz do candeeiro
Vivemos por outras linhas
O nosso amor por inteiro.

O primeiro amor se foi
Sedento da liberdade;
Foi-se sem nada pedir:
Nunca contou a verdade
Nunca hesitou em mentir.

Renasci no teu abraço
Para a certeza do verso
E disperso no sorriso
Sem aviso, esse enlaço,
Deu-me o amor que preciso.

Sta Maria da Feira 18/09/2010

Adicionado por Jaime da Silva Valente em 30 setembro 2010 às 11:48 — Sem comentários

SÓ DE SACANAGEM

Qualquer semelhança coma a tual situação do nosso país NãO é nenhuma mera… Continuar

Adicionado por Arthur Jaak Wilfrid Bosmans em 30 setembro 2010 às 11:32 — 3 Comentários

ENTRELINHAS DO DESEJO



ENTRELINHAS DO DESEJO



Nas linhas do meu corpo, está escrito uma alma intensa

Propensa ao ato de amar com total vontade e consciência

Cada rima que exponho é pra estimular o que meu leitor pensa

Na estrofe, palavra, ponto, vírgula insinuo-me com freqüência



Quem hoje lê meus versos pensa saber de quem se trata

Não sabe o que acontece comigo, não conhece todos os fatos

Mas confesso que a poesia…
Continuar

Adicionado por Hildebrando Souza Menezes Filho em 30 setembro 2010 às 9:30 — Sem comentários

Arquivos mensais

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

1999

Membros

Aniversários

Aniversários de Hoje

Aniversários de Amanhã

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...