Blog de Jaime A. (11)

teclado

Sonho na ponta do teclado,

na ponta dos dedos,

na ponta da unha.

Não há estrelas,

não há algodão,

não há aparato.

Sonho com cores que não…

Continuar

Adicionado por Jaime A. em 4 março 2018 às 21:06 — 3 Comentários

férreo ferrete

Já te peguei,

na minha cabeça,

entre quereres,

entre portas

envoltas em pó,

encontrei-te:

velho carimbo,

estampa,…

Continuar

Adicionado por Jaime A. em 2 março 2018 às 19:59 — 2 Comentários

Marrocos

Nas traseiras

de minha casa

há um cigano,

a quem, à noite,

por vezes,

o vinho ataca

(fantasio-o

encostado

a um candeeiro);

então grita e

uiva e

trina,

e a sua voz trepa e

eleva-se e

a noite estremece;

lembro um Marrocos desconhecido,

uma noite cálida e

ao longe,

o Muezim

chama para a oração,

e grita,

e trina,

e a sua voz trepa e

eleva-se e

a noite estremece; e

o meu…

Continuar

Adicionado por Jaime A. em 19 fevereiro 2018 às 21:30 — 4 Comentários

busca

Barco louco,
por que me buscas,
me trazes
tua ferrugem,
talvez ouro
outrora?
Agora apenas um
rasto de águas,
das viagens
de que fugiste,
para te vires acoitar
nestas margens doces
de um sonho
tão esquecido,
tão suavemente
obliterado.

Adicionado por Jaime A. em 12 dezembro 2017 às 4:14 — 2 Comentários

dedos

Pesarosa,
ofereceu-lhe a única flor,
a sua única paixão;
sentiu-a entre o polegar
e o indicador,
sorriu distante,
a flor semi-quebrada, já.

A lágrima que chorou,
o sonho mau
que a assombrou,
foi tudo o que aquela
única flor levou
no seu esquife
deslizando
para onde brotam
sementes e bolbos.

Adicionado por Jaime A. em 1 dezembro 2017 às 22:39 — 3 Comentários

des quite

Os caminhos separam,
não unem,
levam a lugares
que até os olhos esqueceram.
Hoje, contínuo regresso,
o espaço funde-se
nas bagas que o sol roubou;
onde pára o vento
que roga as pragas
submersas, negadas,
sujas de tanto ódio?

Adicionado por Jaime A. em 1 dezembro 2017 às 18:12 — 4 Comentários

Lar

Tem a coragem
de não alimentares o teu dragão,
os teus demónios
ou os lobos que em ti habitarem.
Sê o teu lugar de acoitamento,
teme só a tua própria madrugada.
Se, a meio da noite, acordares
dá-te à escuridão e ela te protegerá.
Acima de tudo,
mantém mal alimentado o horror
que em ti busca descanso!

Adicionado por Jaime A. em 7 novembro 2017 às 1:17 — 2 Comentários

lume

Isto,

magoado silêncio
no crepitar funéreo,
a vida na louca tentativa,…
Continuar

Adicionado por Jaime A. em 20 outubro 2017 às 12:16 — 1 Comentário

Long Message Service (LMS)

Amiga:



A vida é um sussurro

que percorre as folhas do calendário

deixando-me atónito.

Cada ocaso é um só,

e as colinas escorregando pelas águas

tornam-se marcos onde o tempo,

forçosamente,

se imobiliza.



Sei que para ti, caríssima,

o tempo é um escolho,

deve ser esquecido

enterrado, até.

Mas ele vulgariza-te

nas sombras que antecedem as rugas.



Sabes?

Foi ontem que nos conhecemos,

que brincámos… Continuar

Adicionado por Jaime A. em 4 outubro 2017 às 10:35 — 1 Comentário

Lisboa

Sou de uma cidade plena,

e aberta à luz espraiada

que a beija, sorri e acena

e a…

Continuar

Adicionado por Jaime A. em 2 setembro 2017 às 14:00 — 2 Comentários

Alentejo

Uma velha,

a alma enlutada,

uma parede caiada,

um monte esquecido,

um chão ardido...…

Continuar

Adicionado por Jaime A. em 27 agosto 2017 às 16:00 — 2 Comentários

Últimas mensagens do blog

Mensagens do blog mais populares

Arquivos mensais

2018

2017

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço