Blog de Aristides Dornas Júnior (35)

ADEUS Á DISPONIBILIDADE E OUTROS ADEUSES (BEBA TU MESMO O TEU VENENO)

         Estão tentando destruir a família brasileira. O narcotráfico penetra nos lares mais simples, pegando mulheres ingênuas a as enchendo de drogas. Fazem com que se prostituam pelas ruas, com perda da consciência de sua própria personalidade. Essas mulheres são geralmente mulheres simples do povo, povo que Carlos Drummond de Andrade, numa época mais inocente, cantou em A ROSA DO POVO, livro hoje considerado de gosto mediano. Os narcotraficantes não satisfeitos com isso, invadem as…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 11 outubro 2017 às 5:59 — Sem comentários

VISÃO DA NOVIDADE LITERÁRIA

         Já não é possível criar uma literatura que seja realmente nova para os brasileiros. Não depois do Concretismo, que teve mais força destrutiva que criativa. O Concretismo é uma literatura para exportação, ou como meu pai dizia, coisa para inglês ver. Por outro lado, os autores de geração mais nova do que a minha, sendo que eu sou de 1954, e portanto posso me considerar muito velho para dar início a uma carreira literária de sucesso,estão preocupados em ganhar os prêmios de valor…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 10 outubro 2017 às 7:21 — Sem comentários

A literatura chega a um limite

        A literatura chega a um limite no que tange às publicações através do livro impresso em papel. O livro passou a ser vendido com um sabonete ou uma vassoura. Por maior que seja a novidade que ele contenha, o público está se cansando do que está sendo escrito atualmente. A reprodução através de textos do que autor vê na realidade o leitor vê e sente na própria carne. Por que escrever sobre um pivete, um operário ou um magnata, se eles conhecem melhor do que o autor a sua própria…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 1 outubro 2017 às 7:00 — 1 Comentário

DESPEDIDA

Prezados amigos:

me despeço deste site que tanta alegria me deu, por absoluta falta de tempo de continuar a dele fazer parte.

Sentirei a falta de vocês todos.

ARISTIDES DORNAS JÚNIOR

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 5 julho 2016 às 22:37 — 2 Comentários

SEM FRONTEIRAS

Pode-se levantar várias questões no campo da teoria literária. A principal delas é a que mostra que a literatura é um aspecto orgânico da civilização. Não existe sociedade humana sem a expressão literária. Por isso requer-se que os produtores literários possuam estrema consciência do papel que desepenham. Eles não existem sem um público, que é composto de agentes que são os receptores da obra ou das obras. Esse receptores são os que chamamos de leitores. Os escritores acabam por formarem os…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 1 julho 2016 às 15:50 — 2 Comentários

JOGO DOS TEMPOS

Chego ao porto

e estou absorto

em brancos pensamentos

que jogo aos ventos

que sopram para o sul

em folhas de azul

celeste que sobrenadam

em nuvens que bradam

contra o tempo

e o seu passatempo

de me atormentar

do rastrear

minhas antigas idades

mortas na cidade

dos homens imortais

onde se diz: Vai,

procura teu túmulo

e cobre-te ao cúmulo

de tuas vidas

buscando…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 30 junho 2016 às 18:35 — 4 Comentários

REFLETINDO SOBRE ARTE

          A aventura histórica do homem, posto que colocado no mundo, o fez agir e interagir com este mesmo mundo. Neste agir e interagir com o mundo em que vive, o homem encontra no seu destino duas coisas de rara importância: a arte e o mito. A arte, partindo de meios artesanais que o ser humano encontra à sua disposição (seja a caneta, seja o pincel), confecciona objetos que são meios de conhecimento do real e que transcendem este mesmo real. Com a sua arte, o artista fala a todos os…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 29 junho 2016 às 15:45 — 2 Comentários

ORFANDADE

O trem dos malditos

tem um filho adotivo

vagando no espaço

sem ter avançado

no tempo que lhe cabe

para que acabe

como filho de ninguém,

como se fosse refém

da orfandade dos dias

em que a paralisia

das horas todas perdidas

como coisas detidas

na ferida do umbigo

que não serve de abrigo

(cordão cortado há anos),

náufrago no oceano

da vida de engano

que leva, à margem

do…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 28 junho 2016 às 18:07 — 2 Comentários

O QUE SOMOS

         O que é ser brasileiro? Nossa origem está baseada no cruzamento de três raças: a branca, a negra e a indígena. Isto é importante para se definir a problemática cultural porque auxilia no reconhecimento do que somos nós. Na apreensão da vida íntima da brasilidade encontraremos através de manifestações como a música popular brasileira, o folclore, as manifestações religiosas, enfim, desde a cultura popular até as formas eruditas de expressão, encontraremos os três elementos que se…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 27 junho 2016 às 15:09 — 2 Comentários

CIDADE

Atravesso-te as ruas,

cidade, em que pactuas

teus crimes sobre pedras

ao sol que empedra

prisões na árdua manhã

em que mãos artesãs

preenchem os bordados

do dia acusado

de danças de facas

assassinas na fraca

carne dos homens

que se abstém

de permanecer puros

no antemuro

de ti, cidade nua

que me acua

vítima de ti, só

eu volto ao pó

de mim mesmo, por

ser mero amador,

aprendiz da solidão

com…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 26 junho 2016 às 19:51 — 2 Comentários

MEMÓRIA

           Eu sou um escritor feliz e infeliz. Feliz por viver no meio de vocês e me expressar para vocês. Infeliz porque tenho consciência de que o analfabetismo ainda grassa em nosso meio. Quantos não estão privados de ler qualquer coisa? Que perde com isso somos os que escrevemos. Me individualizei, mas não me aristrocratizei. Não tenho direito a isso. Lendo Luckács, ganhei uma bruta consciência de classe. Foram uns poucos anos de estudo de Filosofia, mas os bastantes.

        …

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 25 junho 2016 às 20:37 — 1 Comentário

PARA ALÉM DO HORIZONTE

Quando o sol se põe e vem a noite fazemos algo peculiar à nossa civilização: nos retiramos para dentro de casa e acendemos a lâmpada elétrica que graças a Deus EDSON pode inventar. Nesse momento estamos praticando algo para além do horizonte de nossas possibilidades, que é onde o sol se pôs.

Quando lemos um livro é, ao chegar à ultima palavra que ele contém, que começamos a viver o para além do horizonte do livro. Que é nos pormos a pensar, nos pormos a refletir sobre o conteúdo…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 24 junho 2016 às 17:55 — 1 Comentário

        Jó estava à disposição de Deus e, o Senhor o entregou nas mãos de Satã, impedindo a este tão somente que não tocasse na vida de seu servo. O Livro de Jó é uma narrativa que de certa forma aprofunda a reflexão sobre a condição humana. Na qual se revelam os sofrimentos a que estão sujeitos os seres humanos. Lá estava Jó, com a família e suas riquezas, até que veio Satã, o adversário de Deus, e lhe tomou tudo:

      9"Satã respondeu a Javé: 'É por nada que Jó teme a…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 23 junho 2016 às 19:48 — 1 Comentário

O LIVRO E O HOMEM

       A referência primeira é a Bíblia. Pelo menos para nós os ocidentais. Depois do catecismo vem a escola primária. Então surgem os primeiros livros em nossas vidas. Lembro-me dos primeiro contos, todos orais, que escutei quando era ainda praticamente um recém desfraudado no jardim de infância. O que hoje chamamos de pré-escola. As professoras mais dedicadas davam livros com desenhos às crianças, e como estimulante tais livros vinham acompanhados de balas e bombons. As balas e os bombons…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 22 junho 2016 às 17:50 — 1 Comentário

O ESTILO

De posse de um vocabulário, nele fazemos uma seleção de palavras. Estas palavras selecionadas de certa forma instintivamente é que fazem, dão o tom de nossa expressão verbal. Um vocabulário muito rico fornecerá uma maior e melhor expressão de nossas ideias, de nossas descrições, de nossas definições. E assim temos feito o nosso estilo. E o nosso estilo, se ele se refere à arte, seja por exemplo a arte do conto ou a arte do romance, terá eficácia estética se conseguirmos fazer ver ao outro o…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 21 junho 2016 às 17:27 — 1 Comentário

O PAPEL EM BRANCO

         Diante de uma folha de papel em branco, eu estou. Proponho-me a preenchê-la. Rabiscarei, farei anotações, desenharei o vento que sopra em minha cidade. Recordarei, tanto quanto esquecerei. Direi do nada que me corrói, que me consome em voz baixa, enquanto eu baixinho choro. E dos silêncios que restarem farei lendas que escreverei para passar o tempo. Navegarei  por mares de palavras umas sensatas, outras nem tanto. Falarei de tudo um pouco, até da falta de assunto.

       …

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 20 junho 2016 às 10:58 — 1 Comentário

DEUS NÃO CRIOU O DIABO

         A questão é antiga. Na antiguidade clássica (leia-se Grécia Antiga) os homens já procuravam algo que justificasse a existência visível. Não tinham os pré-socráticos grandes preocupações com as realidades imediatas, o que hoje chamaríamos de preocupações de ordem com a vida prática. Pelo menos não de maneira tão intensa. E por isso baseados principalmente no conceito filosófico, cujo nome a origem é completamente desconheccida, a não filologicamente, da "physis", abordaram pela…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 19 junho 2016 às 18:16 — 1 Comentário

SEM RESPOSTA

         Seria todo escritor um ser angustiado? Parece ser difícil responder a isso. Alguns se angustiam ao escrever, outros escrevem para se divertir, outros escrevem para ganhar dinheiro e outros para alcançar a glória. Machado de Assis alcançou a ascensão social através da escrita, chegando a abandonar a própria mãe. Ernest Hemingway se enriqueceu através da literatura. Eu quando escrevo não sei se consigo me comunicar com eficência com os meus semelhantes.

        Desde tempos…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 18 junho 2016 às 19:00 — Sem comentários

ARTE E VIDA

Talvez você se indague sobre o que seja arte. Sem dúvida é uma boa pergunta. Mas, haverá uma resposta satisfatória? Segundo Fayga Ostrower criar é dar forma. E fazer arte é criar. Portanto fazer arte é dar forma. Dar forma a que? A um retrato, a uma pintura, até à uma fotografia. Pois, existem fotografias artísticas que valem por escrever um conto. Mas, detenhamo-nos na pintura.

Por que a pintura? É talvez a forma de arte mais antiga que a humanidade já criou. Existe desde os tempos em…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 17 junho 2016 às 18:33 — Sem comentários

ÓCIO COM DIGNIDADE

Pode o ócio ter dignidade? A resposta é sim. Quando nos encontramos totalmente desocupados, quando estamos totalmente desob rigados a qualquer coisa, seja lá o que for, podemos por nossas atividades a favor de um fazer que nos conduza a um grau de dignidade que não julgávamos ser capazes de atingir. Ao invés de nos divertirmos com as frivolidades de nosso tempo, podemos nos ocupar a destrinçar o pensamento de um Nietzsche, a nos deleitar com a audição da Nona Sifonia de Beethoven, a nos…

Continuar

Adicionado por Aristides Dornas Júnior em 16 junho 2016 às 19:07 — 2 Comentários

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...