Pesarosa,
ofereceu-lhe a única flor,
a sua única paixão;
sentiu-a entre o polegar
e o indicador,
sorriu distante,
a flor semi-quebrada, já.

A lágrima que chorou,
o sonho mau
que a assombrou,
foi tudo o que aquela
única flor levou
no seu esquife
deslizando
para onde brotam
sementes e bolbos.

Exibições: 8

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Elías Antonio Almada em 3 dezembro 2017 às 15:42

me agrado leerte

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 3 dezembro 2017 às 13:10

Interessante  composição, Jaime. Parabéns.

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 3 dezembro 2017 às 3:04

Que beleza de versos, poeta.

Leves e ritmados.

Uma linda criação.

Parabéns.

Membros

Aniversários

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...