Mão do destino

 

 

Nas sombras da tristeza; mão do destino

Entre os sonhos da ilusão e fantasia,

À ciência e ao valor a testa inclino,

E não é, por penhor da *axiologia.

 

Quando por marés inóspitas vagando

Ao sabor das ondas, ao sabor dos ventos

Sinto-me um peregrino caminhando,

Desprovido de todos os elementos.

 

Mas existe! Um bem maior, versus a sorte

Que promete refúgio, a quem agoura a morte

E inspira confiança ao ledo sofrimento.

 

Não imploro tal dano à minha sorte

Porém, não quero desforço nem passaporte,

Mas afastar falsas idéias do pensamento !

                                       *teoria dos conceitos de valores morais

São Paulo, 07/12/2017 (data da criação) 
Armando A. C. Garcia 

Visite meus blogs: 
http://brisadapoesia.blogspot.com ;
http://preludiodesonetos.blogspot.com ;
http://criancaspoesias.blogspot.com
 

 

Direitos autorais registrados 
Mantenha a autoria do poema
 

Exibições: 5

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 11 janeiro 2018 às 13:16

Bonito trabalho. Parabéns.

Comentário de Elías Antonio Almada em 11 janeiro 2018 às 12:03

Mauro M. Santos

Graça Campos

Carlos Saraiva

José Santiago

Lilian Reinhardt Art

De Luna Freire

Visitantes

Liv Traffic Stats

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço