MEDO DA CHUVA...

 

  (Noite de 26 de dezembro de 2010, ocorreu uma enchente assolou o município de Muqui e inundou parcialmente algumas ruas de Mimoso do Sul)
 
 
 
          Medo da chuva... minha cidade, nas épocas de verão vive intenso medo da chuva, porque é uma cidade plantada em um vale, cercada de montanhas por todos os lados e as águas da chuva sem ter como rapidamente escoar,  se acumulam causando enchentes ... é portanto comum, pelo menos uma vez por ano, perder tudo e depois reconstruir,... só não se perde o medo de quando o tempo fecha a cara , encobre de pesarosas nuvens o céu e desaba em constante e torrencial  chuva de verão, transbordando os leitos, acampando de água lamacenta as praças, as ruas, os quintais, as casas, a alma do povo... Quando, seja qual  for a hora do dia ou da noite, o sino da matriz soa insistente, o povo se agita e se solidariza e tenta sem demora salvar o que pode, mesmo quando o que pode é a sua vida.
 
          Hoje, andando pelas ruas da cidade e vendo o resultado da enchente da noite passada, desviando aqui e ali dos entulhos trazidos pela água, vendo as pessoas retirando o barro e lavando  suas casas,  o carro pipa lavando as ruas... penso:  que rotina triste!!!... Raul Seixas em sua música diz ter perdido  o “medo da chuva vendo as pedras que choram sozinhas no mesmo lugar...”
 
          Eu sei que ele não falava de pedras nem de chuvas no sentido próprio das palavras, eram metáforas de pessoas que se acomodam em seu marasmo e seus preconceitos, em sua rotina e seus tabus... estagnadas no mesmo lugar imposto pela moralidade, a vida toda... mas eu, diante desse quadro triste e 
lamentável que meus olhos são obrigados a ver, reflito nessa música de outra forma, com o sentimento de quem experimenta ser “pedra parada no mesmo lugar” por não ter outra opção, por estar plantado nesse chão que ama, por não ter condições financeiras de buscar outro lugar,... seja qual for a razão vive-se intensamente essa dor e essa angustia...
 
          Qual será, pois,  “o segredo da vida”, inesquecível Rauzito, dessas “pedras que choram sozinhas no mesmo lugar...” ?  o lugar é a cidade que amamos, é nosso chão, nossa identidade, as pedras somos nós, que lamentamos as perdas que cada enchente traz, mas que não nos  arredamos daqui, porque somos parte dessa terra, somos filhos deste chão,... partículas de uma existência da qual não abrimos mão. Ser mimosense, é portanto ser  pedra que resiste ao tempo, à chuva, ao vento, à erosão,...  mas nunca desiste de existir, ainda que seja uma  pedra bruta, ainda que seja parentemente uma pedra de pouco valor, seu  segredo da vida, de sua existência é permanecer, é a perseverança e a eterna vontade de ficar sempre no mesmo lugar, Mimoso do Sul...
 
 

    (Irene Cristina dos Santos Costa - Nina Costa, 27/12/2010)

Exibições: 41

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 16 abril 2018 às 17:12

Eu não tenho esse amor, a ponto de tolerar esse sofrimento todo. Cuidem-se!

Comentário de Elías Antonio Almada em 12 abril 2018 às 19:32

Comentário de Elisiário Luiz em 12 abril 2018 às 11:43

Delineada mente Nina quão bem exposta essa travessura que a natureza nos expõe

...quanto nos castiga nesse nosso agendável pacifismo...parabéns Fique Bem!

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço