Aí da noite que se esvai
com as estrelas, o céu é o mar,
para em seguida fazer-se dia
logo cedo ao sol raiar.


Se entre os mistérios
que a vida tua faz,
Eu pudesse ser algo, então
Diria-me, ama-me com o corpo
e com a alma se for capaz.


Mais tarde um dia
com a solidão
eu choraria por tuas lembranças
nas quais rias,
e eu criança
sorria junto! Ah! que ilusão.


Aquele pôr do sol
que ia triste com o mar,
me deixava à espera da noite
do silêncio a te guarda.


Fez-se calmo o mar bravo
em tarde hora, tardia hora,
Eu cá, só, na areia fria,
Virte embora, indo embora.


Jamais tornei a ter-te
aos teus quente olhos frios,
que se fecham diante aos meus
que me dizem que estou sozinho.


Como esperei, ansiei por ti
mesmo quando não dizia
Esperei tão só, noite e dia..

Exibições: 19

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 5 julho 2018 às 21:26

Eu não sei o que é sentir saudades... Será que não sou normal?

Comentário de Elías Antonio Almada em 20 junho 2018 às 15:47

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço