A banalidade

 

 

Trago no peito entranhada a solidão

À minha alma, já falta inspiração

Esperanças, especulações e fantasia...

São hesitações do momento a cada dia.

 

A banalidade da indiferença

Sofrida com calma pela descrença,

Fez de mim um intrépido lutador,

Que nem na última gota, sente a dor

 

E se a dor, persistir em magoar,

Do meu peito, hei de a arrancar

E não serão os delírios do coração,

 

Que irão impedir de eu controlar

Nem mesmo evitar de abortar

A intensidade dessa louca paixão !

 

São Paulo, 19/04/2017 (data da criação) 
Armando A. C. Garcia 

Visite meus blogs: 
http://brisadapoesia.blogspot.com ;
http://preludiodesonetos.blogspot.com ;
http://criancaspoesias.blogspot.com
 

 

Direitos autorais registrados 
Mantenha a autoria do poema
 

 

 

Exibições: 14

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Marlene castilho em 30 abril 2017 às 23:08

Lindo poeta ,escrito com alma ___ 

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Margarida*

 *Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Liv Traffic Stats

Mídias Sociais

View Sílvia Mota ***'s profile on LinkedIn

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço