A casa da andorinha


Vendo aquele ninho caído...


Saudade não visita,não grita,nem chora...
Caem pingos da chuva,alegre ladainha,
Paz que sorri,mora na casa da andorinha...
Contudo,imenso vazio invade nesta hora.

Qu’esta dor atroz,que ,deveras,acompanha,
Não bata à tosca porta da casa da andorinha!
De minh’alma a fraca voz , agonia tamanha!
Não conteve daquele sofrer que se avizinha.

Na casa da andorinha tudo é belo,tão casto...
Em meu ser,escura noite,d’estrelas comovidas.
Lembro canto d’infancia,há muito esquecida,
As lágrimas do pranto apagaram meus rastros.

A casa tosca da andorinha visitei,um dia...
Entre fina palha morava toda a formosura.
Gotas d’orvalho frio sobre o telhado caiam,
Formando cristalina ribeira d’águas puras.

Suave brisa arrastou,de mim,a erva daninha,
Carregando ,para longe,todo meu desalento,
Ai!Que ninguém viu,naquele triste momento!
Qu’a torpe ventania levara a casa d’andorinha...

Exibições: 23

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Antonio Cabral Filho em 6 setembro 2017 às 23:08

Bravo irmão. Parabens.

Comentário de Marcia Portella em 4 setembro 2017 às 16:43

 Estar em sua página entre  versos lindos,leves e apurados é pura... magia.

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...