Uma casinha no barranco
Atrás dela um quintal amplo
Nele só tinha terra, um espanto!
Por causa disto dona Irma habitava no pranto

Só ficava lá dentro e já fazia muito tempo!
Olhava pela única janela da casa que ostentava um barranco
Abandonou às costas da moradia; não olhava e nem se arrependia
A janela exibia um horizonte de tristeza, por isto, preferia viver presa!

Então, Dona Irma padeceu num estado de depressão
Comia o que os outros lhe davam; alguns tinham compaixão
Os vizinhos perguntavam o que havia no quintal esquecido
Ela não respondia e nem ia ver o que poderia ter acontecido

Anos se passaram e dona Irma continuava no mesmo dilema
Não queria mais viver; achava que a vida era um problema
Nunca olhava atrás da casa; pois sabia que ali só havia terra
Uma posição negativa de quem pega a própria vida e enterra!

A tristeza acabou levando dona Irma para sempre
Depois do enterro os vizinhos foram avaliar e ver o que fazer
A tal casa triste do barranco que só tinha uma janela na frente...
Uma moradia velha, abandonada; que alguém jamais queria ter

Então foram matar a curiosidade e ver o que existia no quintal
Lá havia arvores com frutas e flores que seduziam qualquer mortal
A casa velha tinha um jardim que passou a ser alvo da ambição
Ignoraram a Dona Irma; todos desejavam aquela plantação!
Dona Irma perdeu a chance de refletir sobre o que havia esquecido
Todo mundo tem um tesouro na vida; mas o deixa adormecido
Quando o céu está nublado, no chão pode haver um jardim encantado
Quando existem flores mortas na trilha, no céu há uma estrela que brilha



Flores nascem e não avisam; arvores frutificam a toda hora
A natureza se encarrega de consertar tudo e não demora
Um terreno de terra seca parece não ter nenhum futuro
Mas não desdenhem as sementes esquecidas no escuro!

Estão ali quietinhas almejando pela chuva da esperança
Numa manhã chuvosa a natureza generosa entrega a herança
E naquele terreno desprezado surgem desenhos coloridos
Mostrando para todos que nunca deveria ter sido esquecido...

Janete Sales Dany
Poesia registrada na Biblioteca Nacional

Registro: 641788


Licença Creative Commons
O trabalho A casinha triste do barranco de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Intern....

 

 

 


Observação:

"O nome do personagem escolhido para esta poesia é fictício,

qualquer fato que tenha acontecido com alguém 

e que seja parecido com o desenrolar do que foi escrito

é mera coincidência!"

Exibições: 354

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Janete Francisco Sales Yoshinaga em 30 maio 2016 às 13:50

Boa tarde querida amiga Dione!

Obrigada pela linda presença

fico feliz que gostou,

amei a flor!

Beijos no coração

Comentário de Dione Fonseca de Barros em 30 maio 2016 às 10:46

Lindo querida Janete

 grande beijo. Boa semana

Meu carinho

Comentário de Janete Francisco Sales Yoshinaga em 10 maio 2016 às 11:29

Bom dia querido amigo Elías Antonio

Obrigado pela presença que ilumina a minha manhã

Fico feliz que goste dos meus versos

Uma tarde repleta de paz

Beijos

Comentário de Janete Francisco Sales Yoshinaga em 10 maio 2016 às 8:42

Bom dia querido amigo Críspulo

obrigado pela presença que ilumina a minha manhã

Fico feliz que apreciou

Um dia de paz

Beijos

Comentário de Críspulo Cortés Cortés em 10 maio 2016 às 7:04

Comentário de Janete Francisco Sales Yoshinaga em 10 abril 2014 às 7:09

Bom dia querida Mônica Pamplona!

Fico feliz que você gostou,

isto é um grande estímulo!

Obrigada por iluminar a minha manhã com o seu lindo sorriso!

Beijos no coração

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 10 abril 2014 às 1:47

Tão lindo Janete!

Emoção a cada verso.

Parabéns minha querida.

Bjsssss

Comentário de Janete Francisco Sales Yoshinaga em 15 março 2014 às 18:25

Boa noite querida amigas Selda e Maria de Lurdes!

Fico contente que as minhas linhas singelas lhes agradaram!

Obrigado pela luz que me enviaram, que ela volte em dobro!

Beijos no coração de cada uma!

Comentário de SELDA MOREIRA KALIL em 15 março 2014 às 12:57

Lindíssima historia onde o talento lhe fez deslizar em linhas dentro desta alma maravilhosa

Dizem que os mestres fazem ao vivo e vc é um deles....Perfeição e harmonia

Aplausos querida...Nota milllllllllllllllllllll

Gde beijo

Comentário de Janete Francisco Sales Yoshinaga em 14 março 2014 às 12:36

Bom dia querido José Lopes

Fico feliz amigo que esta poesia lhe trouxe bons sentimentos,

isto é um grande estímulo para mim!

Obrigado pelas palavras que iluminam e incentivam!

Um dia de muita paz

Um abraço caloroso e ótimo fim de semana

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...