A última gaivota

Plaina no ar agora

Admirando seu corpo

Esbelto sensual aflora.

 

Chega a hora

Logo chega a noite

No ar a ultima gaivota

Tacita admira seu corpo.

 

A noite vem a galope

O sol beija a água na despedida

Sente é hora de partir para o norte

Aquecer outras almas benditas.

 

A água abraça a noite

Os humanos se recolhem

Abraçar e viver mil amores

Na noite criança que chora.

 

A vida acolher

O amor do dia

Que beija a gaivota

Em seus loucos suspiros.

Exibições: 29

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Lucineide Sampaio em 14 julho 2017 às 23:27

Bela poesia!

Membros

Designers PEAPAZ

*Livita*

*Margarida*

 *Imelda*

*Toninho*

*Reinaldo*

Poema ao acaso...

Visitantes

Liv Traffic Stats

Mídias Sociais

View Sílvia Mota ***'s profile on LinkedIn

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço