com som

Ela estava às voltas com seus afazeres ; cuidava da sua casa ; e pensava consigo mesma sobre o natal. Seria, talvez, como os outros de que se lembrava.

Com  o  tempo  parece  que  haviam  desbotado  um pouco as cores,  que as luzes estavam mais fracas  -  “ou será que fui eu que esmaeci ?...”

Então lembrou de uma noite na casa dos tios ; estava com 5 anos mas era bem alta para a idade. Gostava daquelas datas na casa dos tios, com seus protocolos, louças especiais e taças de cristal coloridas. As luzes indiretas na sala, as canções repetidas ao piano e, claro, a hora dos presentes ... Mas naquela noite seu primo havia preparado uma grande surpresa !  Uma casa de brinquedo, quase do  seu  tamanho ...  Pequenas luzes,  mobília,  um elegante  carro  na  garagem ...  De  encher  os olhos !!! Ela não podia imaginar como iria divertir-se com aquela casa.

Mas naquele Natal  chegou também um outro brinquedo : um enoooorme urso , maior do que ela, com sua gravata borboleta vermelha !!  Ahhhh foi paixão à primeira vista ! Deram-lhe um nome e ela passou a ficar sempre junto com seu urso. Ele era grande o bastante para que ela pudesse sentar em seu colo e ficar longas horas ali, aconchegada.  Uma vez fez sua mãe vestí-lo com um shorte e uma camisa e foi com ele à casa dos tios  -  que trabalho ela dava ! rsrsrs

Os anos se foram, ela cresceu, o urso foi doado. A infância tornou-se apenas mais uma lembrança.

E naquele dia ela se perguntou por que lembrara do urso ... E sorriu lembrando daqueles dias.

Estava assim, absorta nos pensamentos que a tiravam das monótonas tarefas. Nem ouviu que ele chegara. Assustou-se por un átimo com o abraço carinhoso  de seu marido, um homem alto e forte; mas apenas por um átimo, porque aquele era o abraço que aquietava todo o seu mundo, para onde gostava de fugir e se aconchegar como num ninho – “o abraço do seu Urso” , costumava dizer ...

De repente sorriu.

E quando ele lhe perguntou o por que do sorriso, ela – lembrando do amigo cujo nome começava com a mesma letra – reconheceu, por fim, aquela sensação guardada em seu coração... Ela sorriu novamente e respondeu apenas  “foi uma lembrança ...”

                                                                                                                Waulena

@Waulena

Peapaz

A Casa da Poesia

Exibições: 35

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Waulena d'Oliveira Silva ontem

Minha doce Chantal, tu bem sabes o quanto tu me enterneces sempre !!!

Obrigada Amiga, por todo esse carinho , que é recíproco !

Bjsss Wau   (bjss de ursooooo  rsrsrs)

Comentário de Waulena d'Oliveira Silva ontem

Querido Amigo Elias, grata pela tua presença de sempre e pelo comentário tão gentil à meu pequeno texto !

Bjssss Wau

Comentário de Waulena d'Oliveira Silva ontem

Querida Dulce, muito obrigada pela tua visita !

São essa lembranças que nos alimentam !

Bjsss Wau

Comentário de Elías Antonio Almada segunda-feira

Comentário de Maria-José Chantal F. Dias segunda-feira

Só me ficou um desejo ....... ter um abraço de ursooooooooo!

que encanto este momento de doçura e memória! ENCANTO TOTAL!

Uma leitura que se faz pacífica serena e que transbordaem nós!

meu abraaaaço de urso para ti querida escritora Waulena!!

Comentário de Dulce de Souza Leao Barros segunda-feira
Fiquei encantada, Waulena. As boas lembranças não se apagam com o tempo, elas ficam embutidas para surgirem em determinados momentos, causando um mixto de alegria e saudade do passado. Parabéns, querida! Um beijo.

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...