AMOR: UMA INCÓGNITA

Leve como a neve,
denso como uma nave,
misterioso como nunca,
te inebria como se deve.
O amor é cheio de manias
inesperado, imprevisível.
prazer e agonia,
domina, submisso;
muito mais que isso:
beira o impossível.
atordoa, atormenta,
imensurável; debilita
sacia e alimenta.
Vá se entender o amor!

(Gustavo Drummond)

Exibições: 20

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona sábado

Reservo-me em sentir. Pois não me caberia entender tal sentimento.

Assim, como bem dizem teus belos versos.

Parabéns.

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 12 junho 2018 às 13:36

Lindíssimo. Uma bela definição.

Comentário de Elías Antonio Almada em 11 junho 2018 às 15:08

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço