Ao homem que veio de longe... [Soneto decassílabo]

 Ao homem que veio de longe... Vieste do além mar, arrebatado,

fizeste-me florir nos versos teus

e a cada meu vazio, inabitado,

caíste superior, talvez um Zeus! 

Deixaste em cada porto, encantado,

um coração em dor, tal qual o meu

e a cada linda aurora, um ser amado,

se fez perdido ao beijo quase ateu! 

Deitada pelo chão - loquaz sereia -

cantei por todo amor, em elegia,

sozinha a te sonhar na quente areia... 

Agora, vieste a mim, a naufragar

no verde dos meus olhos – que ironia,

o comandante ao mar não quer voltar! Sílvia Mota a Poeta e Escritora do Amor e da Paz

Cabo Frio, 16 de setembro de 2009 – 23h26

Fundo musical: Richard Clayderman - Sentimental Medley

Exibições: 74

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Sílvia Mota em 24 dezembro 2017 às 19:06

 Zélia, encontro-me feliz, com a leitura que realizas do meu poema. Muito, muito obrigada. Beijossssss

Comentário de Sílvia Mota em 24 dezembro 2017 às 19:05

 Elias, tua presença constante aos meus trabalhos é gratificante. Muito obrigada, Beijosssssssss

Comentário de Sílvia Mota em 24 dezembro 2017 às 18:56

 Margarida, agradeço-te a visita aos meus versos e o comentário que renova a minha alma. Beijosssssssss

Comentário de Zélia Mendonça Chamusca em 24 dezembro 2017 às 15:46

Parabéns Mestre Silvia Mota pelo encanto metafórico do poema de um amor que quer regressar mas, já é tarde.

Comentário de Elías Antonio Almada em 23 dezembro 2017 às 18:39

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 23 dezembro 2017 às 17:48

O soneto é muito bonito e a imagem é exuberante.

Comentário de Sílvia Mota em 17 julho 2012 às 16:29

 Agradeço-te o gentil comentário, querida Mônica.

Realmente, tive sorte ao buscar uma ilustração para o poema.

Beijosssssssssssss

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 17 julho 2012 às 15:08

 Impecável como sempre minha querida.

De extremo bom gosto a escolha da gravura. Transmite a sensação de que é a sereia a falar.

Parabéns pelo acréscimo ao teu belo acervo.

Bjsssssssssss

Comentário de Sílvia Mota em 17 julho 2012 às 0:06

 Grata, querida Lais, pela leitura observadora. Beijossssssssssssss

Comentário de Lais Maria Muller Moreira em 16 julho 2012 às 16:52

 Soneto ritmado dando a sensação do murmúrio das vagas encontrando a areia. beijo

Mauro M. Santos

Graça Campos

Carlos Saraiva

José Santiago

Lilian Reinhardt Art

De Luna Freire

Visitantes

Liv Traffic Stats

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço