Apego e Ausência

Não é sempre que as partes são tão belas
a maneira de olhar tem tudo a ver
e não são as trancas de aço destas celas
que trazem nos olhos quem é você

Não é sempre que as fases são marcadas
nas lagrimas que gotejam no chão
toda a dor ou o amor só faz morada
quando se abrem as portas de um coração

E agora este meu apego é a sentença
por não poder ser feliz sem tua presença 
 tanto é o amor que em meu peito floresceu

E só eu sei o quão é profundo este poço
pois na verdade ainda vou roer o osso
por continuar vivo quando você morreu

Alexandre Montalvan

Exibições: 24

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Margarida*

 *Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Liv Traffic Stats

Mídias Sociais

View Sílvia Mota ***'s profile on LinkedIn

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço