A velha castanheira

             Todos os dia, passando pela castanheira, mês após mês, ano após

ano,   sem nunca me aperceber de suas constantes mutações.

          A castanheira inerte em seu lugar, sempre ali, plantada àquele cantinho

simples de praça, fazendo sombra para os transeuntes, e dando-se por ninho

aos passarinhos.

          Hoje, eu sentei sob sua copa, olhei para cima e vi como ela cresceu... E

eu?,... Eu continuo a mesma, com os mesmos defeitos de sempre, com as

mesmas manias de sempre, com os mesmos

sonhos...

          Ela, a castanheira, tem alguns galhos secos, poucas folhas e em seu

redor, no chão, um tapete avermelhado que se tornará humo para o solo. Na

solidão desse silêncio fresco de sua sombra, me consolo, pois sei que assim

como a castanheira envelhece e morre só, seus frutos, levados por morcegos e

aves, farão nascer novas mudas e futuras árvores. Eu semeei sonhos onde

passei, plantei quimeras em alguns canteiros de minha vida, e não importa se

verei seus frutos e/ou suas flores, certamente um dia, elas nascerão.

          Resta-me o consolo de saber que nada acontece por acaso nesta vida,

que tudo tem seu propósito e sua finalidade. E enquanto eu observo a velha

castanheira, reflito sobre a efemeridade da vida... Mas também sobre seus

legados aos que vierem depois.

          Venham ventos, chuvas, trovões, sóis, luas, estrelas, venha o inverno

inclemente e o verão escaldante,... ela estará ali, até que se cumpram os

propósitos que lhe são inerentes. Assim será comigo e mesmo com você que

talvez, neste momento, esteja perdendo seu precioso tempo para ler esta minha

crônica. No momento certo, tudo passa, todos passam e eu (já dizia o poeta), "eu

passarinho..."

By Irene Cristina dos Santos Costa - Nina Costa, in 07/08/2013

Exibições: 36

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de MARGARIDA MARIA MADRUGA em 16 abril 2018 às 17:21

Belo. É assim, com a surpreendente diferença de que a castanheira realiza esse tempo em perfeito silêncio e paz.

Comentário de Neuza de Brito Carneiro em 12 abril 2018 às 23:45

Linda reflexão.

Comentário de Elías Antonio Almada em 12 abril 2018 às 19:35

Comentário de Elisiário Luiz em 12 abril 2018 às 2:33

 Foi muito bom me envolver aqui com suas palavras...parabéns  Fique Bem!

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço