Bombeiros

 

Da janela o meu quarto

Vislumbrava verde paisagem,

Agora, por criminoso acto,

O negro das cinzas é a imagem.

 

Triste destino do meu Portugal

Tão cobardemente queimado,

Num acto canalha, brutal,

Onde o assassino não é julgado.

 

Grandes interesses financeiros

Se movem lá muito atrás,

Assassinando nossos Bombeiros.

 

Portugal, tão triste sorte,

Não merecem os soldados da paz,

Assim lançados às chamas da morte.

 

Francis D’Homem Martinho

18/06/2017

Exibições: 15

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Nieves Merino Guerra em 21 junho 2017 às 19:45

Terrivel, vizinho....

Não há palavras...

 Continuamos orando por todos...

 Abraços.

 Forças...

Comentário de Nieves Merino Guerra em 21 junho 2017 às 19:44

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 19 junho 2017 às 22:14

Triste tragédia a assolar  Portugal.

Que Deus amenize o sofrimento das famílias das vítimas.

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...