Os escombros do céu da boca -
espaço mítico do prazer profano -
impedem-no o discurso insano
e a profecia populista louca...

Suas palavras incompreensíveis,
tornam-se balbucios inaudíveis,
carregados pelo hálito fétido,
tipico dos alcoólatras morféticos.

Dentro da escavação imunda,
agoniza uma língua podre,
cacos de dentes que a cova afunda
à espera da terra sobre...

Exibições: 58

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Paolo Lim em 30 outubro 2017 às 9:02

Mônica do S Nunes Pamplona: Obrigado amiga linda ! Seu comentário me é importantíssimo ! 

Comentário de Mônica do S Nunes Pamplona em 30 outubro 2017 às 2:31

Nossa, Paolo.

Nem todas as bocas são assim.

Mas me contento, por ser uma delação poética a tantos, que mantêm o céu da boca imundo.

Bjssss.

Comentário de Paolo Lim em 4 junho 2017 às 13:23

Como aprecio sua presença e comentários, Nieves Merino Guerra. Um beijo por esse prazer que me proporciona.  

Comentário de Nieves Merino Guerra em 4 junho 2017 às 11:53

Felicidades

 Parabéns!

Comentário de Paolo Lim em 3 junho 2017 às 15:05

Etelvina Gonçalves da Costa: Agradecido, reitero o orgulho de tê-la presente às minhas linhas. Um beijão do amigo Paolo.

Comentário de Paolo Lim em 3 junho 2017 às 15:04

Agrada-la é um privilégio, doce Maria Lucia Oliveira da Silva. Muito obrigado pela presença. Um beijo do amigo Paolo.

Comentário de Etelvina Gonçalves da Costa em 3 junho 2017 às 4:30

tres estrofes de um dramatismo arrepiante uma poesia mergulhada num sentimentos palpitante mas agonizante as palavras do poeta ecoam carregados de um lirismo que se compara ao hálito fedido de alcoólatras morféticos-Assim acontece quando já agonizamos perdidos dentro do ser ,louco mas nao mais que um grito alucinado de perda. Maravilha parabéns poeta

 

Comentário de Maria Lucia em 2 junho 2017 às 22:21

Três estrofes onde a poesia diz o que o céu da boca calou, porque as palavras ficaram perdidas entre os escombros...

Grito que muitos de nós, calamos.

Parabéns poeta. Gostei muito! 

Comentário de Paolo Lim em 2 junho 2017 às 21:32

Muito grato pelo comentário MARGARIDA MARIA MADRUGA . Bjs do amigo Paolo. 

Comentário de Paolo Lim em 2 junho 2017 às 21:31

Mais uma vez obrigado pela gentil presença  Elías Antonio Almada. Um abração do amigo Paolo.

Membros

Designers PEAPAZ

*Sílvia Mota*

*Margarida*

*Nara Pamplona

*Livita*

*Imelda*

*Toninho*

Poema ao acaso...

Visitantes

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Sílvia Mota.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço