Olhando para trás e rotos vendo
Largados pelo chão os pobres lírios
Soluço, atormentado por martírios:
O viço dos vergéis se desfazendo

Fumaças dos imensos cemitérios
Afligem-me, de espinhos me vestindo
O coração engasgam, foi-se o lindo
Recanto de aconchego, refrigérios

Em meio à névoa fria, pardacenta
Sombrias aves grasnam ansiosas
Espreitam excitantes estertores

No campo onde lamento os desamores
Recolho os restos dessas venenosas
Roseiras que me iludem... Morte lenta!

Exibições: 21

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ Sílvia Mota Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ em 26 abril 2017 às 18:35

Tema que vagueia pelas sendas comuns aos poemas góticos. Versos fortes e belos. Gosto muito. Parabéns! Beijossssssssssss

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...