Despedida

 

Fechou os teus olhos

para aquela boca que cantava

era um som que de anjos falava

e era a única saída,

abriu teus olhos para o nada

e fechou os olhos para a vida

 

Pegou um longo punhal de aço

que brilhava mais que a prata

que tinha também a lamina mais pura

cortou com ele minhas mãos e meus braços

para matar meu amor que já não tinha mais cura

 

Foi tão difícil em tua vida perceber

entre tantas partidas e idas

se você não quis ou teve medo de saber

quantas vezes minhas  mãos lhe haviam sido estendidas

 

Elas pediam amor, talvez pão ou comida

mas você ignorou aquelas mãos

agora já não existe mais a vida

apenas este adeus e esta triste despedida

Alexandre Montalvan

Exibições: 22

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Iván em 23 abril 2017 às 14:57

Terribles son las despedidas cuando hay amor. 

Duele el corazón. Se rasga.

Un agrado, amigo. 

Que tengas buen día. 

Membros

Poema ao acaso...

Pensamento do dia

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...