Sobe o fecho éclair,vê seu rosto no espelho;

mil reflexos mas de um único rosto.

A pele levemente bronzeada,os fios loiros

mais curtos que o normal,com profundas olheiras;

nada que um corretivo não possa amenizar...

Vai à janela,sente o calor do sol esquentar

sua alma dormente,gelada...

Ele,dorme o sono dos justos?...só ele sabe...

Ela sonhou com a primavera em uma cidade

grande,com rios que exibiam leitos em tom safira

encapelados pelos ventos...

Descobriu uma cidade enrodilhada ao redor de ruas,

igrejas e praças em uma trama igual a um 

cesto de serpentes aninhadas...

Uma cidade silenciosa,tocada em nuvens de 

luzes  piscantes,árvores delirantes, que ganham

a rua ao anoitecer e a tornam amante;que

ela aceita sem inibição...

Leva o amor todas as noites entregando-se

com olhos fechados,ouvindo dos bares os músicos

cansados,óculos escuros com sua insônia 

dando os últimos acordes...

Ao sair acende um cigarro como se fosse ópio

adicionado ao ópio o narcótico que aplaca seu

tédio,um amigo íntimo,amável,presente,fiel....

Nesse momento a cidade  tem vida letárgica

tal qual a dela e de todas as pessoas...

Na rua,seus passos são ouvidos pelo único

brilho que carrega em sua alma cansada...

Sandálias douradas..

                                Marcia Portella_Go

Imagem Web

Exibições: 307

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Comentário de Nieves Merino Guerra em 25 agosto 2015 às 12:20

Comentário de Marcia Portella em 23 junho 2015 às 12:39

Linda borboleta,obrigada por levitar em meus versos...Te abraço

Comentário de Maria das Graças Araújo Campos em 22 junho 2015 às 13:13
A beleza infinita dos passos dourados na poesia de tua alma! Beijossss
Comentário de Marcia Portella em 17 junho 2015 às 20:39

Lindo poeta,tem razão quando diz ....

'Afinal é preciso brilho e beleza para se seguir adiante'

Mesmo que seja ao clima noir com sandálias douradas...  

Comentário de Nilson da Cunha Gonçalves em 17 junho 2015 às 18:54

Sandálias douradas que brilham intensamente em meio ao clima noir. Afinal é preciso brilho e beleza para se seguir adiante. Poema sensível e delicado, marca registrada da grande poetisa Márcia Portella.

Comentário de Marcia Portella em 16 junho 2015 às 10:16

Grata a todos que passam em meus versos... mesmo sem comentar deixam seu recado...Abraços

Comentário de Marcia Portella em 16 junho 2015 às 10:13

Linda,obrigada pelo destaque e muito mais por suas palavras...Te abraço

Comentário de Marcia Portella em 16 junho 2015 às 10:11

Paolo,obrigada por minha intensidade lembrar Godard...Abraço

Comentário de Marcia Portella em 16 junho 2015 às 9:56

Lu,é sempre gratificante te encontrar entre meus versos...Te abraço

Comentário de Marcia Portella em 16 junho 2015 às 9:53

Mil,obrigada pelo destaque e sua presença ...Te abraço

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...