São longas horas, solidão cortante
Aqui, neste recanto de abandono
Idílios remoendo, vai-se o sono
Soluços flébeis, ecos... Delirante!

Assombra-me a lembrança torturante
Acinzentou-se a vida, fez-se outono
No coração saudade erige trono
Dolência me corrói enclausurante

As rubras emoções daquelas noites
Acossam pensamentos feito açoites
Teu gosto de pecado ainda guardo

O quarto me suplica teu aroma
Não deixes que a tristura me carcoma
Não posso suportar mais esse fardo!

Exibições: 7

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas e Escritores do Amor e da Paz para adicionar comentários!

Entrar em Poetas e Escritores do Amor e da Paz

Membros

Poema ao acaso...

Portal para 38 Blogs-Sílvia Mota

Badge

Carregando...